Depois de alguns dias turbulentos, enfim, o Manchester United cumpriu as expectativas sobre si. Duas derrotas consecutivas na Premier League colocavam o time de José Mourinho sob pressão. A resposta? A maior goleada da equipe na temporada, jogando de maneira convincente e extremamente eficiente. Em Old Trafford, os Red Devils passaram por cima do Leicester por 4 a 1. Contaram com um final de primeiro tempo massacrante, com três gols marcados em um intervalo de apenas cinco minutos. Resultado para revigorar a confiança e também apontar alguns caminhos ao time titular.

Desta vez, Mourinho abriu mão de dois dos jogadores mais contestados do 11 inicial. Nada de Wayne Rooney ou Marouane Fellaini. O United contou com um meio-campo mais técnico, em cabeça de área formada por Paul Pogba e Ander Herrera. Já na linha de frente, a nova aposta veio com Marcus Rashford, caindo pelos lados do campo assim como Jesse Lingard. Mais móvel e trabalhando bem a bola, a equipe da casa se impôs.

O início do primeiro tempo, porém, não foi tão fácil assim. E, aqui, cabe o elogio à melhor contratação dos Red Devils até o momento. Eric Bailly chegou sem badalação. Pelo contrário, muitos perguntavam quem era o zagueiro do Villarreal. Seu cartão de visitas vem com atuações dominantes na linha de zaga, antecipando as ações e até mesmo corrigindo os erros dos companheiros. Durante os primeiros 20 minutos, o Leicester chegou a pressionar. Encontrou uma barreira enorme no defensor, mantendo a segurança de sua equipe.

O caminho começou a abrir para o United a partir dos 22 minutos. Aqui, começa a despontar outro destaque: Daley Blind. Defensivamente, o lateral fez bem o seu papel. Mas se sobressaiu muito mais pela precisão nos escanteios. Com ele, nasceram três dos quatro gols. Primeiro, colocou na cabeça de Smalling. O segundo tento veio em um lance à parte, ótima troca de passes conduzida por Mata que ele mesmo tratou de fuzilar, aos 37. Já na sequência, mais dois tiros de canto letais. Em um deles, jogada ensaiada no primeiro pau, para Mata cruzar e Rashford escorar às redes. Por fim, aconteceu o primeiro tento de Pogba em seu retorno ao clube, completando de cabeça outro escanteio de Blind. O francês, aliás, se saiu muito bem na primeira etapa, conduzindo o meio-campo.

O Leicester, entre os muitos erros de marcação e a falta de ligação no ataque, voltou com mudanças para o segundo tempo. Talvez já pensando no compromisso do meio da semana pela Liga dos Campeões, Claudio Ranieri sacou Jamie Vardy e Riyad Mahrez. Aproveitou que o Manchester United tirou o pé do acelerador para se postar um pouco mais ofensivamente. E o melhor do time foi justamente um daqueles que saiu do banco. Aos 20 anos, Demarai Gray demonstra um potencial imenso e merece um pouco mais de atenção, oferecendo velocidade pela ponta. Acertou um chutaço da entrada da área, no gol de honra, e quase fez outro bonito por cobertura, parando em grande defesa de David de Gea. Enquanto isso, Islam Slimani foi mal. Além de não se apresentar tanto, matou alguns ataques.

A vitória, mais do que melhorar o ambiente, indica alguns caminhos a José Mourinho. Se algumas mudanças pareciam óbvias para muita gente, o resultado as torna inegáveis. Três pontos para colocar os Red Devils terceira colocação, ao menos provisoriamente, somando 12 pontos. Já o Leicester, estagnado em 11°, já sente a campanha bem diferente da vivida na última temporada. Em um mercado de apostas do meio para frente, faltou dar uma atenção a mais para a linha defensiva. O jeito mesmo é manter o sonho na Champions, e terça já há um jogo decisivo, diante do Porto no Estádio King Power.

Chamada Trivela FC 640X63