O San Lorenzo vive uma fase iluminada. Venceu o Campeonato Argentino, depois de seis anos de jejum, ganhou o tão sonhado título da Libertadores e disputou o Mundial de Clubes. Colocou até um papa no Vaticano. Mas, para um clube argentino, a identificação com o bairro e a sua representação para a comunidade local podem ser até mais importante do que as glórias dentro de campo. Por isso, a grande conquista do clube argentino recentemente foi concretizar o seu retorno ao bairro de Boedo.

LEIA MAIS: O estádio se tornou supermercado, mas a história de Sanfilippo nunca foi demolida

Boedo era onde ficava o estádio antigo do San Lorenzo, o Gasómetro, mas, em 1979, o estádio foi expropriado pelo governo ditador da Argentina porque o clube sofria com muitas dívidas. A demolição ocorreu quatro anos depois. A promessa era usar o terreno para um projeto de urbanização, que não foi em frente, e ele foi eventualmente vendido para o Carrefour.

Nos últimos anos, o San Lorenzo batalhou para recuperar o terreno do “Viejo” Gasómetro – construiu seu novo estádio, o Nuevo Gasómetro, em Bajo Flores, a três quilômetros de distância. Em 2012, mais de 100 mil pessoas foram à Praça de Maio protestar a favor da Lei de Restituição Histórica, que devolveria o patrimônio para o clube. Deu certo.

Após três anos de negociação, 36 longe de casa, o presidente Matías Lammens oficializou o acordo ao lado do seu vice Mauricio Tinelli e do maior executivo do supermercado francês na Argentina, Daniel Fernández. Segundo o La Nación, o San Lorenzo gastará US$ 150 milhões (o equivalente a R$ 600 milhões) em todo o projeto de retorno a Boedo.

É muito dinheiro. Seria o bastante para grandes reforços para a equipe, montar grandes esquadrões e dominar a Argentina, mas há coisas mais importantes. “Esta é a copa mais importante que o San Lorenzo ganhou na sua história”, disse Tinelli. “Faltam US$ 50 milhões para comprar o terreno. Vamos trabalhar para levantar esse dinheiro. Isso demonstra que não há utopias para o San Lorenzo”, completou Lammens.

A ideia, agora, é preparar a construção do estádio no número 1700 da Avenida La Plata. A obra deve começar em 18 meses e ficar pronta até 2019. O Nuevo Gasómetro voltará a ser apenas estádio Pedro Bidegain. Um ainda mais novo Gasómetro será construído no local onde o San Lorenzo construiu grande parte da sua história e levará o nome do mais ilustre torcedor dos Corvos: estádio Papa Francisco.