“Eles dizem que fazem isso há 25 anos e pedem que confiemos neles.” Javi Martínez não esconde o estranhamento do elenco do Athletic Bilbao com os métodos de trabalho da comissão técnica liderada por Marcelo Bielsa. Não apenas com o sistema de jogo, mas até com os procedimentos no dia a dia. Incluindo treinos nas vésperas de partidas, como ocorreu no último sábado, antes de embarcar para Barcelona, onde enfrentou o Espanyol no dia seguinte..

O técnico argentino ficou conhecido como louco, e não faz questão de desmentir o apelido. Em poucas semanas de trabalho em Bilbao, já deu motivos de sobra para ter a sanidade colocada em dúvida pela torcida e imprensa. O que, neste momento, tem servido de combustível para o surgimento das primeiras críticas.

O primeiro alvo de desconfiança é a esquema tático. Como era de se esperar, Bielsa tem tentado colocar o Athletic no 3-3-1-3, formação que adota há mais de dez anos pelas equipes em que trabalhou. Aí, aparecem duas questões. Primeiro, leva um tempo para um time assimilar um sistema pouco comum. Segundo, ele ainda tenta descobrir quem são as figuras mais adequadas para cada função.

Por enquanto, muita gente tem jogado fora de sua posição mais usual. Contra o Espanyol, Javi Martínez tem sido o central no trio de zaga (a bem da verdade, ele também atuou como zagueiro – numa linha de quatro – pela seleção espanhola); o meio-campista Gurpegi e o lateral Iñigo Pérez ficaram nas alas e o lateral De Marcos no centro da segunda linha de três; Ander Herrera foi o armador, com Llorente de referência no ataque; Muniain e Gabilondo jogavam abertos na frente, eventualmente recuando para ajudar a marcar os laterais adversários.

Pelo Campeonato Espanhol, o Athletic não fez partidas ruins nessa formação. No entanto, a equipe ainda não deslanchou. Empatou em casa com o caçula Rayo Vallecano em um jogo em que os dois times oscilaram muito. Depois, perdeu contra o Espanyol, apesar de dominar as ações durante boa parte dos 90 minutos. A isso se soma um empate em casa com o Trabzonspor pela Liga Europa (o jogo de volta na Turquia, não foi realizado pela punição ao Fenerbahçe na Liga dos Campeões, que acabou dando uma vaga ao time de Trabzon na LC e classificando o Athletic automaticamente na LE). Motivos para se desconfiar das tantas novidades levadas pelo treinador argentino.

O curioso é a reação de Bielsa às críticas. Aumentando a aura de insanidade em torno de sua figura, ele não tem dado desculpas. Reconheceu que tomou decisões equivocadas na derrota para o Espanyol, e que esses erros teriam sido responsáveis pelo fato de o marcador não refletir o futebol das duas equipes no jogo. Sobre a pressão que começa a sofrer, diz que o trabalho está começando, mas ele não tem direito de julgar a reação da torcida.

O choque de filosofias ainda deve render novos momentos interessantes. Bielsa e o Athletic têm capacidade de afinar a conversa e fazer o trabalho andar. Mas, mesmo que isso não ocorra, será um período divertido – pelo menos para quem acompanha de fora – no San Mamés.