Um recorde: 85,5 mil torcedores se reuniram em Wembley, no maior público de um time inglês na história Liga dos Campeões como mandante. Uma multidão que se frustrou e vaiou. O Tottenham já não vence há seis partidas, desde a imposição sobre o Manchester City em White Hart Lane. E se os tropeços fizeram os Spurs deixarem o G-4 na Premier League, podem culminar na eliminação na Champions. A equipe sofreu a sua segunda derrota em casa no torneio continental, ainda que Wembley não possa ser chamado tanto assim de sua “casa”. De qualquer maneira, são pontos vitais desperdiçados em casa. Melhor para o Bayer Leverkusen, que não perdoou os erros e agora tem uma oportunidade concreta de tirar os londrinos das oitavas de final.

Assim como já havia acontecido na BayArena, o Leverkusen apresentou um futebol bastante sólido contra o Tottenham. O primeiro tempo teve poucas chances, com um embate tático entre as equipes. E os alemães venceram este duelo com boa vantagem. A marcação adiantada forçava os erros dos Spurs, com dificuldades para sair do campo defensivo. Não à toa, Mauricio Pochettino lançou mão de sua primeira alteração já aos 30 minutos, trocando Moussa Dembélé por Vincent Janssen. Os anfitriões se desafogaram, mas não se livraram do sufoco.

Afinal, a noite desencontrada do sistema defensivo do Tottenham abriu o caminho para o Bayer Leverkusen. As falhas quase custaram caro duas vezes. Primeiro, aos 43 do primeiro tempo, em uma bola que lambeu a trave. Depois, na volta do intervalo, quando Lloris realizou grande defesa. Já aos 20 do segundo tempo, uma sobra acabou sendo fatal. Kampl dominou livre dentro da área e fuzilou para as redes.

Do outro lado, o Leverkusen soube muito bem trancar sua defesa. Wendell e Henrichs foram excelentes para anular as jogadas dos adversários pelas pontas, enquanto Julian Baumgartlinger trancou a cabeça de área. Pior, os Spurs foram pouco inventivos na frente, mal ameaçando Leno. A melhor oportunidade veio aos 38 do segundo tempo, graças a uma bola parada. Cobrança de falta caprichada de Eric Dier, mas que acabou explodindo no travessão antes de ser neutralizada pelos visitantes.

O momento do Tottenham é delicadíssimo. A defesa sofre mais do que de costume e o ataque só anotou dois gols nas últimas cinco exibições. E a reação precisa ser imediata. No domingo, os Spurs visitam o Arsenal pela Premier League, em clássico vital para voltarem à briga pelo topo da tabela. Além disso, estão fora da zona de classificação em seu grupo na Champions, quatro pontos atrás do Monaco e dois atrás do Leverkusen. O jeito será compensar o primeiro tropeço em Wembley e bater os monegascos fora de casa. O empate já poderá ser fatal.

Enquanto isso, o Leverkusen não faz uma grande campanha na Bundesliga, mas compensa pela Champions. Soube tratar os encontros com o Tottenham como confrontos diretos pela classificação, e a diferença de postura se tornou evidente. Renderam quatro dos seis pontos dos alemães no torneio. Agora, é saber lidar com os próximos desafios. Na quinta rodada, os Aspirinas visitam o CSKA Moscou, após apenas empatarem com os russos na BayArena.