Para quem olhava à tabela, o jogo chamava pouquíssima atenção. Em um grupo que tinha a Holanda lutando contra o vexame, Letônia e Cazaquistão faziam um duelo de lanternas em Riga. No entanto, graças ao regulamento da Uefa, nenhuma outra partida causou reviravolta tão grande no último dia de classificação das Eliminatórias da Euro 2016. Os cazaques bateram os letões por 1 a 0, gol de Kuat, e deixaram a última posição da chave. Mudança que causou efeitos bem maiores na briga pela classificação. Por conta do resultado, a vitória dramática da Turquia sobre a Islândia em Istambul valeu vaga direta, com o time de Fatih Terim passando como melhor terceiro colocado.

A explicação da situação não é das mais simples. Como um dos grupos da Euro tem apenas cinco participantes, o ranking dos melhores terceiros colocados exclui os resultados contra o lanterna de cada chave. Uma maneira encontrada para igualar os concorrentes e definir a 20ª equipe a se classificar diretamente à fase final do torneio continental. Assim, a Turquia se deu melhor na classificação dos terceiros graças à vitória do Cazaquistão. Contra os cazaques, os turcos somaram seis pontos. Já diante dos letões, foram dois empates, que acabaram descartados do ranking geral depois que os bálticos assumiram a lanterna.

A Turquia, porém, sofreu para vencer a Islândia no Estádio Olímpico de Istambul. Já classificados, os nórdicos seguraram o empate até os 43 do segundo tempo. Foi quando pesou o talento de Selçuk Inan. O meio-campista cobrou falta com muita categoria para garantir o triunfo por 1 a 0 – embora o empate, diante da derrota da Holanda, já botasse os turcos na repescagem. O tento causou cenas de loucura nas arquibancadas, coloridas em vermelho e branco com bandeiras do país. Já em campo, a euforia se consumou de vez com o fim do jogo do Cazaquistão, encerrado instantes depois.

Esta é a quarta classificação da Turquia nas últimas seis edições da Eurocopa. Fatih Terim conta com um elenco bastante talentoso, especialmente em seu meio de campo. Sobra qualidade técnica entre nomes como Hakan Çalhanoglu, Selçuk Inan, Gökhan Töre, Mehmet Topal e Arda Turan. Além disso, são vários jogadores jovens, com tempo para render também pensando na Copa do Mundo de 2018. E que merecem todo o reconhecimento principalmente pelas duas partidas contra a Holanda, decisivas para a classificação. Os turcos tomaram o empate por 1 a 1 em Amsterdã apenas no final, enquanto venceram em casa com um inapelável 3 a 0.

Por outro lado, quem se deu mal com essa história toda foi a Hungria. Longe da Euro desde 1972 e sem disputar a fase final de uma competição internacional desde a Copa de 1986, os húngaros terão que se contentar com a repescagem. Como prêmio de consolação, ao menos ficarão no Pote 1, o que (em teoria) deve garantir um adversário de menos peso nos duelos decisivos. Dinamarca, Noruega, Irlanda e Eslovênia estão entre os potenciais concorrentes.