Quando se fala da seleção italiana, o estereótipo é de um time que usa e abusa do Catenaccio, com defesa sólida, poucos gols e que passa longe da arte. Nem sempre isso é verdade, mas na Eurocopa sub-19, a Azzurra faz jus à fama. Eliminou nesta quinta-feira a Inglaterra, melhor time do torneio, com duas bolas paradas e defendendo muito bem. Vai à final sem ser brilhante, mas sendo muito eficiente.

LEIA TAMBÉM: Ventura vai usar base de Conte, mas quer Itália com mais jovens em campo

O placar de 2 a 1 só existiu porque a Itália ainda sofreu um gol contra, marcado por Alberto Picchi, já no final do jogo. Os dois gols marcados por Dimarco acabaram sendo decisivos para os italianos chegaram à final, a sua primeira desde 2008.

O título do torneio não vem desde 2003, a única vez que a Azzurra ficou com a taça. Aquele time tinha o atacante Giampaolo Pazzini, mas o grande destaque foi o meio-campista Alberto Aquilani. Desta vez, o time de Paolo Vanoli tenta levantar novamente a taça.

Nesta edição, o time não fez mais que um gol por partida nos três jogos da primeira fase. Na semifinal, pela primeira vez marcou duas vezes. Um time com números bem italianos, mas que o técnico faz questão de ressaltar que tem qualidade. “Nós temos qualidade e provamos isso. Este é um torneio de alto nível e você não terá muitas oportunidades. As poucas que você tem, tem que aproveitar”, declarou Vanoli.

Os ingleses fizeram um torneio perfeito até ali em termos de resultados. Foram três vitórias em três jogos na primeira fase. Bateram a finalista, França, por 2 a 1 logo na estreia; venceram também a Holanda, novamente por 2 a 1, na segunda rodada; por fim, bateram a Croácia, pelo mesmo placar. Chegaram muito bem às semifinais, mas encontraram um adversário que fez jus à fama do futebol italiano.

As declarações do técnico da Inglaterra, Aidy Boothroyd, também mostram um pouco do que é esse time da Itália sub-19. “Obviamente estamos muito decepcionados. Nós jogamos tão bemq quanto vínhamos jogando no torneio, mas os gols que vencem os jogos e que mudam os jogos e nós perdemos para um time italiano muito organizado”, explicou.

LEIA TAMBÉM: Coreia do Norte 1 x 0 Itália: uma zebra de respeito que fechou as fronteiras da Itália

Federico Dimarco, lateral da Itália, marca contra a Inglaterra na Euro sub-19

Federico Dimarco, lateral da Itália, marca contra a Inglaterra na Euro sub-19

Destaque que se inspira em Roberto Carlos

Federico Di Marco, o grande nome da Itália até aqui, é um lateral esquerdo promissor. Já esteve na seleção sub-17 da Itália que foi finalista da Eurocopa da categoria, em 2013. O time perdeu para a Rússia nos pênaltis.

O lateral esquerdo da Internazionale tem sido o grande destaque do time no torneio. Foi dele o gol da vitória contra a Alemanha, na primeira fase, por 1 a 0. Depois do empate por 1 a 1 com a Áustria, a Itália teve um novo empate com Portugal onde Dimarco fez mais um gol de pênalti. Com os dois gols desta semifinal, o jogador chegou a quatro e é o artilheiro do time – e vice-artilheiro do torneio.

“Eu aprendi muito ao chegar à final do sub-17. Aprender é bom e te ajuda a jogar melhor. Eu quero agradecer a todos os meus companheiros porque mesmo que eu marque os gols, é o time todo que vence. Nós estamos na final agora e nós iremos fazer o nosso melhor para vencer também”, declarou o jogador, de 18 anos.

Cobrador de pênaltis do time e bom cobrador de faltas, o jogador tem se destacado por ser um especialista em bolas paradas. E apesar de ser o artilheiro do time, mesmo jogando como defensor, ele faz questão de dividir os méritos.

“Foi uma grande vitória para o grupo – nós somos um grupo, e quando nós vencemos, nós fazemos isso juntos. Nós trabalhamos nos pênaltis como um elenco, nós todos praticamente no treino, e nós trabalhamos duro nisso”, afirmou Dimarco após a vitória contra a Inglaterra.

“Eu assisto Jordi Alba e, mais para trás, Roberto Carlos. Eu os estudo e pego partes do jogo deles para o meu”, confessou o lateral. O lateral brasileiro chegou a jogar na Internazionale na temporada 1995/96, a primeira dele na Europa. Isso antes mesmo de Dimarco nascer – o jogador é de 1997. Se tornou um dos grandes jogadores da história da seleção brasileira na posição, além de uma lenda também no Real Madrid, que defendeu de 1996 a 2007.

“Dimarco é um defensor que tem boas qualidades técnicas. Ele jogou no Ascoli na Serie B nesta temporada e foi muito bem. Ele mostrou que as suas qualidades físicas não são as mais importantes. É a sua qualidade técnica que conta”, declarou o técnico Paolo Vanoli após a vitória contra a Inglaterra.

Dimarco, que jogará pelo Empoli nesta temporada, emprestado pela Internazionale, tentará levar o time ao título no domingo. O adversário será a França, que conseguiu eliminar Portugal no torneio, ironicamente duas semanas depois de ver o time principal ser batido em casa na final da Eurocopa adulta.

Com a Itália de técnico novo, Giampiero Ventura, que disse querer dar espaço aos jovens, será interessante ver como a Azzurrini irá se comportar. Talvez alguns desses jogadores possam aparecer na seleção principal dentro de algum tempo. Especialmente Dimarco.

TRIVELA FC: Conheça nosso programa de relacionamento, ganhe benefícios e marque um gol pelo jornalismo independente!