Quando Diego Maradona marcava um golaço, todos entendiam. Era um craque, um dos melhores da história. A perna esquerda fazia coisas que eram ao mesmo tempo inacreditáveis para pessoas normais e muito críveis para o argentino. Exceto esse gol de falta que decidiu a vitória do Napoli por 1 a 0 sobre a Juventus, em 3 de novembro de 1985. Esse gol de falta até a física tem dificuldade para explicar.

LEIA MAIS: A melhor entrevista de Cassano: “Fui um desastre total nos primeiros 16 anos de vida”

A partida foi realizada pela nona rodada do Campeonato Italiano e representou a primeira derrota da Juventus naquela edição do torneio. O Napoli não conseguiu manter o ritmo e terminou em terceiro, a seis pontos da campeã Juve, mas a vitória foi importante para a auto-estima.

O time do sul da Itália não vencia a rival do norte há 15 partidas, desde uma goleada por 5 a 0 pela Copa Itália de 1978. Pelo Campeonato Italiano, o jejum durava ainda mais tempo: a última vitória havia sido em 1973, por 2 a 0, após 24 partidas em branco.

Desta vez, a partida ficou no zero a zero até que Diego Maradona cobrasse uma falta de dentro da área. A bola lhe foi gentilmente rolada, e Maradona fez o golaço. O problema é que, pelo ângulo que ele tinha, o arco desferido pelo seu chute foi muito incomum e surpreendeu o goleiro da Juventus. Como surpreendeu todos no estádio San Paolo.

Michel Platini estava no outro lado e minutos antes havia tentado cobrar uma falta diferente também, de cavadinha, mas não teve tanto sucesso quanto Maradona.