Uma revanche. Um dérbi. Dois estilos diferentes de jogar futebol. Craques nos dois lados. A decisão da Champions League, que será realizada neste sábado, tem todos os ingredientes para uma grande partida, como foi dois anos atrás, quando o Real Madrid levou a melhor sobre o Atlético de Madrid na prorrogação.

Desta vez, as situações são um pouco diferentes. O Real Madrid trocou de treinador no meio da temporada, ao contrário do Atlético, que mantém o longo trabalho de Simeone. O Atlético tem Antoine Griezmann em forma, e não um Diego Costa baleado. As forças estão ainda mais equilibradas para o jogo de Milão.

Como é tradição aqui na Trivela, fizemos uma cobertura especial sobre a decisão ao longo da semana, com matérias históricas, entrevistas e análises para você estar o mais bem informado possível quando se sentar na mesa do bar para acompanhar essa grande partida.

[RPG] Simeone ou Zidane? Assuma a prancheta e tente vencer a final da Champions

Nosso joguinho está de volta, e ainda mais difícil! Treinando o Real Madrid ou o Atlético de Madrid, são as suas escolhas que definirão quem será o campeão europeu de 2015/16.

Uma obsessão, dois significados: o que o título da Champions representa para o Atlético e Real Madrid

A Champions League é obsessão, tanto para o Real Madrid, quanto para o Atlético de Madrid, mas a Orelhuda tem um significado diferente para cada um dos times. Os colchoneros querem apagar as decepções do passado; os merengues querem se firmar ainda mais como o clube mais vitorioso do mundo.

O sucesso de Real e Atlético na Champions se escreve a quatro luvas: Navas x Oblak

Keylor Navas e Jan Oblak têm uma trajetória parecida. Ambos chegaram aos seus respectivos clubes sem grande alarde, mas foram pouco a pouco conquistando a confiança da torcida e do treinador. Resultado: foram essenciais nas campanhas de Real e Atlético.

Real Madrid: ‘a por la Undécima’ contra o rival madrilenho e a maldição de jogar em San Siro

O caminho para o Real Madrid conquistar sua 11ª Champions League passa pelo San Siro, mas ele terá que quebrar uma longa maldição que o assola desde a década de cinquenta: nunca venceu um jogo oficial no estádio.

Milão, cidade mais vitoriosa da Champions, recebe a final que a fará perder o posto para Madri

Milão e Madri, com dez títulos cada uma, são as duas mais vitoriosas da história da Champions League, mas a cidade italiana ficará para trás, assim que o árbitro apitar o final de jogo em San Siro. Um simbolismo duplo: Milão perderá a ponta em um jogo debaixo dos seus olhos e em um momento em que seus dois principais clubes sofrem para voltar à principal competição europeia.

Jogador por jogador, como o Real Madrid montou o elenco finalista da Champions

O sucesso não vem por acaso. Com altos investimentos, o Real Madrid montou um grande time, e contamos nessa matéria como cada jogador do elenco chegou ao clube espanhol.

Jogador por jogador, como o Atlético de Madrid montou o elenco finalista da Champions

A mesma coisa, mas com o Atlético de Madrid. Simeone tem um perfil diferente de contratações: também investe de vez em quando, mas prefere apostar em jovens revelações.

Cafu, campeão das duas: “A Libertadores está atrasada em relação à Champions”

Nossa enviada a Milão, Estela Suganuma, entrevistou o ex-jogador Cafu, campeão europeu pelo Milan, que comentou sobre a competição e seu belo histórico de conquistas.

Quinze jogadores que arrebentaram na final da Champions League

O palco perfeito para brilhar, para escreverem seus nomes na história e se tornarem lendas. A final da Champions League é o auge do futebol de clubes da Europa, e selecionamos 15 jogadores, de Cruyff a Inzaghi, que arrebentaram nessa partida.

Doze times que não conquistaram a Champions, mas foram vice-campeões de respeito

Selecionamos times que não conquistaram a Champions League mas provaram que aquela frase pronta, “só entra para a história quem vence”, está totalmente errada.

As seis vezes que a final da Champions League foi uma revanche

A decisão deste sábado repete a partida que aconteceu dois anos atrás, em Lisboa. Isso não é uma novidade na Champions League: seis vezes a decisão também significou vingança (ou não).