Na rodada anterior da Copa Libertadores, o Grêmio já havia tirado um enorme peso de suas costas. A vitória sobre o Rosario Central na Arena, combinada com o triunfo do Libertad em cima da Universidad Católica, deixava a situação dos tricolores em suas próprias mãos. O time de Renato Portaluppi ainda teria um desafio considerável em suas duas últimas partidas, sem muita margem aos erros, mas não com a mesma cobrança pela ausência de boas atuações. A conquista do Campeonato Gaúcho ajudou o clima a ficar mais leve. E, se ainda não resolve a sua vida, o resultado desta terça-feira eleva bastante o moral dos gremistas, mantendo-os como senhores de seu próprio destino. Em pleno Defensores del Chaco, o Grêmio dominou o primeiro tempo contra o Libertad e matou o duelo no segundo. Apesar de alguns sustos, foi uma noite bem mais segura que o esperado, referendada pelos 2 a 0 no placar. Outra ocasião decidida por Éverton, tão brilhante quanto letal em ambos os gols, para romper os 100% de aproveitamento dos oponentes.

O Grêmio começou a partida de maneira bastante à vontade no Defensores del Chaco. O Libertad adotava uma postura mais resguardada, preferindo fechar os espaços em sua defesa e aguardar as brechas para contra-atacar. Assim, os tricolores mantinham a posse de bola e tinham a iniciativa. A calma preponderava ao time de Renato, só que os erros eram excessivos na hora de definir as jogadas. Bruno Cortez, sobretudo, destoava pelos cruzamentos errados. Por outro lado, a defesa alvinegra também tinha seus méritos ao fechar a porta.

A pressão do Grêmio se intensificou a partir dos 25 minutos. Finalmente a marcação paraguaia cedeu e as chances de gol surgiram aos montes. Martín Silva realizou boa defesa em cruzamento de Cortez, antes que Éverton exagerasse na força e mandasse um bonito voleio por cima do travessão. A insistência, ainda assim, logo deu resultado. E coube ao craque gremista brilhar. O Cebolinha anotou um golaço aos 27. Alisson tem muitos méritos na jogada, ao receber de André e dar um passe na medida pelo meio da zaga. Éverton ficou no mano a mano com Iván Piris e exibiu uma calma imensa para entortar o outrora dito “melhor marcador de Neymar”. Foram dois cortes secos no defensor, feito de bobo, antes de um chute alto fora do alcance de Martín. A bola ainda beijou o travessão antes de entrar.

Até parecia que o Grêmio poderia aumentar rapidamente. Os tricolores tiveram duas ótimas chegadas nos minutos posteriores. Martín Silva salvaria o Libertad, com defesas fundamentais diante de Jean Pyerre e Éverton. O Gumarelo só acordaria depois dos 35, tentando se impor no campo de ataque. Foram raros minutos de provação ao time de Renato, com os paraguaios confiando principalmente nas bolas alçadas na área. Óscar Cardozo chegou a cobrar uma falta com perigo, antes que a cabeçada de Matías Espinoza desse um susto nos acréscimos. Nada, porém, que tenha custado a vantagem aberta pelos gaúchos.

Na volta ao segundo tempo, o Grêmio tentou recobrar seu espaço no campo ofensivo, mas a necessidade era do Libertad e os anfitriões continuaram no controle. A saída de Maicon, dando lugar a Michel, também contribuiu a esse protagonismo do Gumarelo. O time de José Antonio Chamot avançava suas linhas e criava um cerco contra os gaúchos. O lado positivo aos gremistas era o trabalho de sua linha defensiva. Mais uma vez, Kannemann e Geromel mantinham a segurança no coração da área. Davam duro no combate físico com os atacantes alvinegros e exibiam um tempo de bola invejável, dificultando as finalizações. Apesar da vontade apresentada pelos paraguaios, raríssimas eram as frestas aos arremates.

Do outro lado, o Grêmio não demorou a encaixar os contra-ataques e levar perigo. Jean Pyerre quase anotou um golaço aos 26. Driblou dois marcadores e, na hora do chute, Martín Silva deu um leve desvio na bola, que esbarrou no travessão. Diego Tardelli logo entraria no lugar de André e também poderia ter feito o segundo. Avançou sozinho pelo lado direito e gingou para cima da marcação, mas seu arremate não foi dos melhores, em cima de Martín. Faltava apenas acertar a definição, porque as avenidas se formavam. Inteligentemente, Renato deu novo gás ao setor ofensivo, trocando Alisson por Pepê.

Expondo-se aos riscos, o Libertad se mostrava disposto a causar o sufoco do Grêmio nos minutos finais. E os tricolores precisam agradecer a Paulo Victor. O goleiro, com o moral elevado após a decisão do Gauchão, realizou uma defesa excepcional aos 36 minutos. Cardozo encontrou Jorge Recalde totalmente livre na área. O camisa 10 estava de frente para o crime, mas Paulo Victor se agigantou e desviou seu arremate para escanteio. Minutos depois, sairia o segundo gol gremista. Contra-ataque puxado por Pepê, tocando a Éverton. O atacante encarou a marcação e até deu sorte na dividida, antes de soltar o pé dentro da área. Assegurou a importante vitória dos gaúchos. E, mesmo resolvido, o jogo guardou outras emoções. Paulo Víctor se confirmaria como o carrasco de Recalde, com outra defesaça em cabeçada do camisa 10. Já nos acréscimos, Martín Silva voou para desviar o chute de Jean Pyerre, encerrando a noite.

A vitória deixa o Grêmio em uma posição bem mais confortável. Não há mais riscos de uma eliminação precoce, o que poderia acontecer com o tropeço em Assunção. E a injeção de confiança é ainda mais importante. Enquanto o Libertad está praticamente garantido na liderança, com 12 pontos, o Tricolor assume o segundo lugar. Tem sete pontos e um saldo positivo de dois gols. A Universidad Católica, principal concorrente, soma seis pontos e um saldo negativo de dois gols. Enquanto isso, o Rosario Central está eliminado, com um mísero ponto. Nesta quarta, os gremistas verão de camarote o duelo entre Central e Católica no Gigante de Arroyito. Uma vitória dos chilenos obrigará os gaúchos a também ganharem o confronto direto em Porto Alegre, na rodada final. Em compensação, um tropeço dos Cruzados na Argentina permitirá ao time de Renato avançar com um mero empate. Definitivamente, o momento virou aos tricolores.