A estreia na Copa Libertadores costuma ser um fardo. Há a cobrança de começar a competição continental somando pontos. De já dar o primeiro passo rumo à liderança do grupo. E o Grêmio, mesmo fora de casa, iniciou sua trajetória com o pé direito. O Tricolor foi superior ao Zamora na visita à Venezuela, ainda que não tenha sido exatamente um jogo totalmente livre de sustos. Pouco importa. O que realmente vale são os três pontos que os gaúchos acumulam nesta primeira rodada, com os 2 a 0 no placar. Destaque para algumas atuações individuais, que auxiliaram na atuação convincente do time de Renato Gaúcho.

O Zamora começou o jogo tentando se impor como anfitrião. Pressionou e deu muito trabalho para o Grêmio durante os primeiros minutos, explorando os lados do campo. Foram três oportunidades claras aos venezuelanos, que não aproveitaram. Mas, aos poucos, os tricolores se encontraram. Passaram a controlar o duelo no meio de campo, embora dessem brechas na defesa, especialmente pelo setor esquerdo, em cima de Marcelo Oliveira. Já na frente, começaram a criar. Miller Bolaños oferecia boa movimentação aos gremistas e era quem mais proporcionava perigo. Deu trabalho ao goleiro Salazar. Na melhor chance, contudo, Michel perdoou.

A vitória do Grêmio se construiu entre o final do primeiro tempo e o começo do segundo. Com participação decisiva de Pedro Rocha. O herói da Copa do Brasil de 2016 costuma dividir opiniões. Nem sempre consegue ser um jogador constante, apesar de seu empenho. No entanto, ninguém pode duvidar de sua importância. Foi dele o passe para o primeiro gol, já nos acréscimos. Após ótima tabela dos gremistas, encontrou Léo Moura na área, para fuzilar. Já no início da segunda etapa, aproveitou a enfiada na ponta para cruzar a Ramiro. O meio-campista acabou derrubado na área. Pênalti, que Luan converteu.

Com a vantagem construída, o Grêmio pôde se resguardar. O Zamora esboçou uma pressão, mas o Tricolor se salvou na raça. Ramiro e Kannemann eram outros dois em grande noite. E não foi o panorama do jogo que forçou Renato Gaúcho a fechar seu time. Pelo contrário, ele renovou as energias de seu ataque, com as entradas de Everton, Lucas Barrios e Fernandinho. Sem tomar grandes apuros, o Grêmio teve uma ou outra oportunidade de anotar o terceiro. Mas a verdade é que o jogo esfriou à medida que o tempo passava. Um pouco mais de ânimo apenas aos 42, quando um cachorro invadiu o campo, como um símbolo da Libertadores. Só uma distração antes da comemoração gaúcha com o apito final.

Muito se questionou a montagem do elenco do Grêmio neste início do ano. No entanto, ao menos por essa estreia, os tricolores demonstraram ter boas opções, para quem precisou lidar com desfalques consideráveis. Não foi a noite perfeita, com alguns pontos vulneráveis. De qualquer maneira, várias atuações individuais satisfatórias ajudaram o coletivo a se sobressair. O Zamora pode não ser o adversário mais temível do grupo. Não é isso que tira os méritos gremistas. E o time de Renato Gaúcho já dá seu cartão de visitas com uma boa vitória.