O Grêmio achou o gol no fim, mas teve uma má atuação contra o América e saiu no prejuízo por Kannemann

O Grêmio encarou o América de Cali já garantido nos mata-matas da Libertadores, mas com diferentes caminhos possíveis. A vitória confirmaria a primeira colocação. Uma derrota, por sua vez, poderia atrapalhar a situação do Internacional – ainda que fosse muito difícil de reverter a diferença no saldo de gols para tirar os colorados. No fim das contas, o duelo na Arena serviu mesmo para deixar a torcida tricolor insatisfeita. Os gremistas fizeram uma partida fraca e perdiam até os 56 do segundo tempo, quando um pênalti garantiu o empate por 1 a 1. Pior foi a expulsão de Kannemann, que torna o zagueiro desfalque para a ida das oitavas de final.

Mesmo com a situação encaminhada, o Grêmio escalou boa parte de sua base titular, exceção feita a Alisson e Matheus Henrique. Não deu muito certo. O primeiro tempo seria arrastado, com poucas chances de gol e muitos cartões. Os tricolores tinham um pouco mais de iniciativa, mas mal criavam. O meio-campo era praticamente inexistente para trabalhar a bola. No principal lance, Lucas Silva cobrou falta rasante e a bola passou próxima à trave. O América só responderia no final do primeiro tempo, saindo com mais velocidade, sem também forçar Vanderlei. Os colombianos estavam longe de aparentar que poderiam brigar pela classificação.

Na volta ao segundo tempo, Renato já veio com duas alterações. Luiz Fernando e Isaque entraram no meio-campo, para as saídas de Orejuela e Lucas Silva. As mudanças fizeram efeito e o Grêmio passou a martelar o gol adversário. Luiz Fernando e Robinho tentaram, até que o próprio Luiz Fernando sofresse um pênalti aos sete minutos. O lance seria decisivo à história do jogo. Robinho cobrou mal e o goleiro Joel Graterol ficou com a bola sem dar rebote. Armou o contra-ataque rápido e permitiu que os Diabos Vermelhos abrissem o placar.

Referência no ataque do América, Duván Vergara puxou o contragolpe e mandou a bola na área. Na tentativa de cortar o cruzamento, Kannemann mandou contra o próprio patrimônio e Vanderlei ficou vendido. A partida seguiu aberta, mas nervosa, sem qualidade dos times na criação. Vergara até ameaçou o segundo, mas Geromel salvou na marcação. Já aos 23 minutos, Renato terminaria de trocar o meio-campo, com as incursões de Thaciano e Everton. Depois, Pepê ainda daria lugar a Ferreira.

Everton chegou a dar uma cabeçada para fora, mas não que o Grêmio exercesse uma pressão contundente. A partida seguia sem grandes emoções, mais brigada que jogada. A derrota parecia certa, até que a reviravolta acontecesse nos acréscimos. Kannemann recebeu o segundo amarelo por uma discussão e acabou expulso, virando desfalque tolo às oitavas. Com um homem a mais, os colombianos pareciam mais interessados em gastar o tempo e fazer cera. Houve outra discussão, o que ampliou os acréscimos. Foi assim que, aos 56, Edwin Velasco tocou a bola com a mão na área. Pênalti que Diego Souza converteu, aliviando um pouco aos tricolores.

O Grêmio fecha a fase de grupos da Libertadores com 11 pontos. Teve alguns bons momentos, mas longe de apresentar um futebol realmente convincente. O desempenho contra o América de Cali deixa preocupação, mesmo que os tricolores pudessem estar relaxados pelas circunstâncias. Já os colombianos sequer vão à Copa Sul-Americana. O gol sofrido no fim seria determinante para que a Universidad Católica acabasse na terceira colocação, com um ponto a mais.

https://www.youtube.com/watch?v=gHw_-TaEmnQ

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore