Fechada a segunda rodada do Campeonato Brasileiro, o Internacional se coloca entre os três times que acumularam dois triunfos na competição. E a estreia dos colorados no Beira-Rio nesta Série A agradaria a torcida. A equipe de Eduardo Coudet dominou o Santos, criou várias chances e fechou a noite com a vitória por 2 a 0. Paolo Guerrero, autor do gol contra o Coritiba no final de semana, brilharia outra vez com novo tento e uma assistência. Pois a jogada do segundo gol do Inter entra logo de cara à lista de pinturas anotadas no Brasileirão, numa linda trama que aumenta ainda mais a empolgação ao redor do resultado.

Foi incrível como o Inter não saiu com a vantagem antes do intervalo. Logo nos primeiros minutos, Lucas Veríssimo quase fez contra e Thiago Galhardo desperdiçou um lance na pequena área, antes de Patrick carimbar a trave na sobra. Vladimir também trabalharia, com grande defesa diante de Rodrigo Lindoso. Inócuo, o Santos encontraria muitas dificuldades para acionar seu ataque, diante da marcação por pressão que sofria. Os colorados chegaram aos 64% de posse de bola, com 12 finalizações. O único susto à meta de Marcelo Lomba viria pouco antes do intervalo, com Kaio Jorge.

Cuca, que já tinha queimado a primeira substituição por lesão no primeiro tempo, voltou com mais duas trocas à segunda etapa. Pituca e Carlos Sánchez foram sacados para Tailson e Jobson darem sangue novo ao meio-campo. Marinho testaria Lomba, mas o merecido gol do Inter não demoraria, aos 11. Num lance de persistência de Thiago Galhardo (e bobeira de Felipe Jonatan), Saravia cruzou na cabeça de Guerrero, que fuzilou. Os colorados seguiram no abafa e desperdiçaram algumas boas chances. Já aos 21, Kaio Jorge marcou, mas a arbitragem anulou por um toque de mão, em lance sobre o qual Cuca reclamaria de um pênalti cometido sobre o atacante. A bola, entretanto, pareceu bater no braço do santista antes do contato do jovem com Lomba.

Fato é que, se o gol saísse, seria mais uma casualidade do que um prêmio ao Santos. O Inter merecia bem mais o segundo tento por aquilo que foi a partida e ele não poderia ter vindo de melhor maneira, aos 42. Edenílson arrancou pelo meio e tocou para Guerrero. O centroavante puxou a marcação e abriu um clarão, graças a um soberbo passe de calcanhar. Então, o meio-campista invadiu a área e deu um leve toque para encobrir Vladimir. Classe pura, que valeu ainda mais a noite aos colorados. No fim, o Peixe teria um gol anulado por impedimento.

Se muita gente se precipitava ao pedir a cabeça de Coudet após a eliminação para o Grêmio no Campeonato Gaúcho, o Brasileirão mostra como o trabalho do treinador pode ser promissor. O Inter havia feito uma estreia tranquila contra o Coritiba, especialmente pelo segundo tempo, e botou o Santos na roda, que se pese todas as dificuldades vividas pelos alvinegros. E o momento de Guerrero também favorece aos colorados acreditarem. O peruano chegou a nove tentos em 2020, e o passe de calcanhar reitera sua confiança. Foi uma obra de arte.