Nenhum dos grandes consegue convencer nesta temporada do Campeonato Espanhol. O equilíbrio prevalece na tabela e a maioria absoluta dos concorrentes complica os principais clubes da Liga. Neste domingo, o Barcelona aproveitou a oportunidade para se distanciar um bocado na liderança. Após a derrota do Real Madrid e o empate entre Sevilla x Atlético de Madrid, os blaugranas fizeram sua parte ao derrotarem o Getafe por 2 a 1, dentro do Coliseum Alfonso Pérez. No entanto, os catalães também precisam ter consciência de que contaram um bocado com a sorte. Em noite de decisões discutíveis da arbitragem, os Azulones desperdiçaram diversas chances para empatar. Lionel Messi e Luis Suárez, sempre eles, preponderaram ao resultado do Barça.

Ernesto Valverde entrou com um time praticamente titular, preferindo deixar Sergio Busquets e Philippe Coutinho no banco de reservas. Só que o Getafe, dono da segunda melhor defesa deste campeonato, fazia um excelente trabalho na marcação e assustava nos contra-ataques. Aliás, foi logo aos oito minutos que aconteceu a principal bronca dos Azulones com o árbitro. Primeiro, ele não marcou um empurrão de Arturo Vidal dentro da área, que poderia ter rendido um pênalti aos anfitriões. Pouco depois, o apito soou quando Jaime Mata balançou as redes. O juiz apontou uma falta (discutível) de Ángel Rodríguez sobre Clément Lenglet, antes que o companheiro finalizasse, e por causa dela anulou o tento.

 

O Barcelona respirou aliviado aos 19 minutos, quando Messi garantiu a tranquilidade e abriu o placar. Arthur tentou o passe por elevação e a zaga desviou, mas a sobra ficou com o camisa 10. David Soria defendeu a primeira tentativa e a bola espirrada nas pernas do goleiro acabou livre para o artilheiro guardar. A partir de então, os blaugranas exerceram o seu domínio e viveram o seu melhor momento na partida. Messi quase providenciou o segundo, em passe cinematográfico para Suárez. A tacada de sinuca passou por todo mundo na zaga, até Soria fechar o ângulo do Pistoleiro. O arqueiro voltaria a fazer ótima defesa em arremate de Gerard Piqué dentro da área. Já aos 38, Luisito ampliou. Em sobra na entrada da área, o uruguaio acertou um lindo sem-pulo, mandando para dentro.

O Getafe voltou a acordar no final do primeiro tempo. Mauro Arambarri deu o primeiro susto, em chute que desviou nas pernas de Lenglet e bateu na trave. E aos 42, o merecido gol saiu. Após ótimo cruzamento da esquerda, Ángel Rodríguez apareceu no segundo pau e ajeitou para Mata escorar. A diferença mínima daria energia aos Azulones na volta do intervalo. Botaram pressão, com uma série de ótimas oportunidades. De frente para o gol, Rodríguez mandou para fora. Depois, seria a vez de Leandro Cabrera cabecear com força e Marc-André ter Stegen realizar uma defesaça. Ainda haveria um lance enormemente desperdiçado por Mata, que driblou o goleiro alemão e, com a meta escancarada, errou o alvo. O árbitro assinalou o impedimento, embora a posição do camisa 7 fosse legal.

O ímpeto do Getafe diminuiu depois disso, com o Barcelona conseguindo cozinhar o resultado. Dando menos espaços na defesa, os blaugranas tentavam explorar os contra-ataques. Então, o que se viu foi um duelo particular entre Messi e o goleiro David Soria. Melhor para o camisa 13, que parou o craque no mano a mano e também espalmou um chute perigoso de fora da área. Por sua postura, encarando os líderes de igual, os Azulones mereciam mais na noite.

Além do gol anulado no início, os dois times reclamaram de expulsões que o árbitro ignorou. Nada que alterasse o placar, com o Barcelona desfrutando do resultado. Os blaugranas chegam aos 40 pontos, já assegurando o “título de inverno” como melhores do primeiro turno no Campeonato Espanhol. Agora abrem cinco pontos de vantagem sobre o Atlético de Madrid, segundo colocado, e dez sobre o Real Madrid, em quinto. Já o Getafe segue no páreo pelas copas europeias. Somam 25 pontos, na sétima colocação.