O perfil de Cesc Fàbregas no Twitter se distingue da média do jogador profissional de futebol. Tem, sim, suas publicações de relações públicas como todos os atletas, mas sua dose de autenticidade é muito maior do que o que costumamos ver por aí. Nesta terça-feira (7), o jogador do Monaco resolveu interagir com sua base de fãs e fez uma sessão de perguntas e respostas, em um tom difícil de ver em uma entrevista comum.

Nas mais de trinta respostas aos seguidores, falou um pouco de tudo: conquista da Copa do Mundo, sua opinião sobre o VAR, provocou o Tottenham e até revelou o sabor da pizza que atirou em Alex Ferguson, na famosa Batalha do Buffet, como a imprensa inglesa apelidou a confusão nos vestiários entre Arsenal e Manchester United em 2004: pepperoni.

Admitiu ainda que o interesse do rival dos Gunners em seu futebol, cerca de uma década depois, quando David Moyes estava no comando, foi grande. “Não diria que cheguei a ficar perto (de defender o United), mas conversei, sim, com o Moyes umas duas vezes.

Perguntado sobre qual o treinador mais duro com quem trabalhou, tinha a resposta na ponta dos dedos: “O Conte, de longe. Sempre disse que voltar e mudar a opinião dele sobre mim foi uma das coisas mais satisfatórias que fiz na minha carreira. Mas eu tive que ficar em silêncio e suar muito”.

Por falar no treinador, Cesc deu até seu prognóstico para a Serie A, colocando a Inter de Conte como forte candidata ao título da competição. “Por que não? O Antonio (Conte) é provavelmente o melhor técnico para reviver times e rapidamente criou uma nova identidade.”

Falando de outro técnico italiano, Fàbregas trouxe uma versão que corrobora o que Robert Green, goleiro reserva do Chelsea, revelou em entrevista no fim do ano passado. “Sarri tem suas táticas e morre com elas. Não é muito flexível, digamos, mas é um bom homem, com um bom coração”, escreveu o espanhol. Ao site The Athletic, Green havia dito que chegou a confrontar Sarri por sua falta de um plano B, representando o que muitos no elenco pensavam.

Um momento singularmente simpático da sessão veio quando o jogador foi perguntado sobre um adversário inusitado contra o qual detestava jogar.

“Fabrice Muamba, quando ele estava no Bolton. Ele me marcava individualmente durante 95 minutos e me seguiria até o banheiro, se necessário. Mas eu acabei marcando em todo jogo contra ele.”

Muamba então entrou no tópico e na brincadeira: “Eu tentei, amigo”.

Ao ser questionado sobre como ainda tira motivação para jogar depois de ter conquistado tanto (Copa do Mundo incluída no currículo), Fàbregas transpareceu uma personalidade de quem vive no momento, indicando inclusive empolgação com seu novo técnico no Monaco, o espanhol Robert Moreno:

“Sempre há diferentes motivações em diferentes estágios. Agora, nós temos um grande desafio à nossa frente, com o novo treinador, e tenho certeza que veremos uma grande diferença daqui a algumas semanas, quando todos conseguirmos o que ele quer de nós.”

Sobre o VAR, que tem causado polêmica sobretudo na Premier League mais recentemente, Fàbregas diz ser a favor, contanto que seja usado de maneira boa e rápida. “Mas, às vezes, eu simplesmente não entendo algumas decisões, ou por que demora tanto quando é tão claro o que acabou de acontecer. Espero que melhore, mas, se usarem bem, é bom para o futebol”, completou.

Ficando ainda na Inglaterra, reforçou o coro recentemente levantado por treinadores de clubes da Premier League contra o calendário saturado. Sobre a Copa da Inglaterra, atualmente em momento de queda de prestígio, disse que “há tantos jogos para os principais clubes hoje em dia que os treinadores usam a FA Cup para fazer mudanças, e isso é um pouco triste. Mas todos nós faríamos o mesmo se tivéssemos que jogar mais de 60 jogos por temporada”.

Abaixo, separamos algumas das respostas curtas de Fàbregas, e você pode conferir todas as respostas do espanhol a seus seguidores em sua conta no Twitter, clicando aqui.

Ídolos na infância

“Guardiola e Figo.”

Estádio com melhor ambiente

“Sempre amei jogar no San Siro.”

Liga mais desafiadora

“Premier League, de longe.”

Melhor jogador da Premier League no momento

“Mané, para mim.”

Uma partida histórica de que gostaria de ter participado

“Manchester United vs Bayern de Munique, em 1999.”

Adversário mais difícil de enfrentar

“Steven Gerrard.”

Cidade preferida em que mais amou viver

“Londres.”