Os torcedores que foram à Arena Corinthians nesta segunda não queriam apenas comemorar a vitória corintiana. Muitos também estavam lá para rir da derrota do Internacional. Pela rivalidade que se criou desde 2005 entre os dois clubes, era natural que a provocação tomasse as arquibancadas. Muita gente levou DVDs, em alusão à polêmica criada na Copa do Brasil de 2009. Outros relembraram 2007, quando os corintianos acusam o Inter de ter facilitado a derrota para o Goiás e, assim, auxiliar em seu rebaixamento. Até mesmo o clube entrou na onda, botando a hashtag #põenodvd no telão do estádio e desejando ‘boa segunda’ em seu twitter. Zoeira saudável, como manda o futebol, e os colorados certamente bem entendem. Nada justifica, porém, a imbecilidade de alguns indivíduos durante a noite.

Ao lado do setor visitante, vários babacas (desculpe o termo, mas prefiro não relacionar diretamente essas pessoas a um clube, qualquer que seja, ou chamá-las de torcedores, para também não generalizar com quem realmente seguiu torcendo) começaram a cantar para os colorados: “Não é mole não, ‘cê vai cair, igual ao Fernandão”. Um desrespeito sem tamanho, e não apenas à representatividade do atacante, falecido em um acidente de helicóptero, ao Internacional. A ofensa se direciona muito mais aos familiares e aos amigos do ex-jogador. Por um motivo estúpido, faz-se piada com aquilo que deveria ser tratado respeitosamente.

Que fique claro, ninguém aqui quer expurgar a provocação no futebol. A brincadeira é, de fato, um dos fatores que fazem o futebol mais gostoso. Quer melhor motivação para uma segunda-feira do que tirar sarro do rival na escola ou no trabalho? Quando isso se torna um insulto, porém, perde toda a razão. Ao se fazer escárnio com a morte de alguém, obviamente, todo e qualquer limite já foi extrapolado.

O debate, neste momento, se coloca sobre a parcela da torcida alvinegra que foi idiota o suficiente para achar aquilo engraçado. Felizmente, as manifestações de repúdio de muitos mais corintianos não demoraram a vir – e, mesmo sem ser responsável pela podridão na mente de cada um, seria digno se o próprio Corinthians fizesse uma nota oficial de repúdio, para deixar bem clara a sua posição. A discussão, afinal, não se aplica apenas a um determinado clube. Qualquer um que ri de uma tragédia precisa ser condenado pela opinião pública. Da mesma forma está errado quem, para responder aos ignorantes desta segunda, cita o nome do boliviano Kevin Espada – ou para qualquer outra referência sobre. O luto se respeita. E não há nada de “politicamente correto” nisso, mas sim a pura e simples noção de humanidade.

A discussão sobre o que é ofensivo ou não costuma abarcar diferentes pontos de vista. Mas é sempre bom ter em mente que, quando alguém interpreta algo que a gente diz como ofensa, nossa intenção importa bem menos que o incômodo de quem sente na pele. O que eu julgo como ‘inofensivo’, na verdade, pode causar uma ferida profunda em quem recebe a mensagem. Pode dar mais voz à intolerância e ao desrespeito. E, aqui, não é preciso desenhar para evidenciar o tamanho do insulto que é a piada com a morte de alguém. O esporte como ambiente de convivência, no fim das contas, perde o seu sentido quando alguém que se diz torcedor toma uma atitude dessas.

Pode falar do DVD, pode chamar o fantasma da Série B, pode até levar o caixão com o nome do Inter. Que alguns colorados apelem, eles sabem que não existe nada demais aí. Que esse tipo de provocação ajuda a dar cor ao esporte. Já fizeram isso muitas vezes e já sofreram com isso também. Porém, querer naturalizar a boçalidade da menção a Fernandão é inadmissível. Só quem convivia com o ex-atacante sabe a dor que sua morte representa. Não merecem ver a memória de uma pessoa querida escarrada da maneira como aconteceu. O futebol não precisa disso para ser ‘divertido’, até porque qualquer noção sobre diversão se perde diante de uma maneira de pensar tão suja. Como um microcosmo eloquente da sociedade, o estádio acaba afirmando aquilo que há de pior nela: a falta de educação e o desrespeito.

PS1: Este texto foi escrito sobre o episódio ocorrido no Corinthians x Internacional, mas não se atém aos clubes ou ao momento. Poderia ter sido escrito antes, em outros ocorridos parecidos. Independente dos envolvidos e do tempo, o mais importante é abrir a discussão. O futebol não pode mais abaixar a cabeça para episódios condenáveis do tipo. É preciso dar o exemplo.

PS2: O vídeo do momento em que o canto foi proferido não está presente por opção. Prefiro não ajudar tamanha imbecilidade a se espalhar ainda mais. Você pode encontrar no twitter com uma busca simples, se quiser.