Desde que o Campeonato Turco surgiu, na década de 1950, somente uma vez o Fenerbahçe atravessou um jejum de títulos superior a cinco anos. Foi na virada dos anos 1980 para os 1990 e, mesmo assim, a seca não durou mais do que sete temporadas. O jejum atual perdura desde 2013/14. E pior que perceber a impossibilidade de romper a sina é ver o time na zona de rebaixamento. Após 15 rodadas da Süper Lig, os Canários somam míseras três vitórias. Neste domingo, a derrota por 3 a 0 para o Akhisarspor fora de casa, em confronto direto na rabeira da tabela, confirmou a equipe no Z-3.

Apesar de certos problemas financeiros, o Fenerbahçe realizou investimentos na temporada, com destaque às chegadas de Jaílson, Islam Slimani e André Ayew. Porém, os Canários também perderam jogadores importantes, especialmente brasileiros: Souza, Giuliano e Fernandão foram atraídos pelas fortunas da Arábia Saudita. Philipp Cocu chegou como novo técnico, tentando dar liga ao elenco após o vice-campeonato da última edição da liga. No entanto, os péssimos resultados fizeram o holandês perder seu emprego ainda em outubro. Erwin Koeman, seu assistente, assumiu interinamente e não conseguiu a guinada que se aguardava.

Nos clássicos, o Fener até conseguiu evitar os vexames. Buscou o empate por 1 a 1 em casa contra o Besiktas e, num jogo cheio de confusão, arrancou o 2 a 2 na visita ao Galatasaray. O problema está contra os demais adversários. São sete derrotas para os costumeiros figurantes da Süper Lig. As atuações em casa não são muito boas, com duas vitórias e duas derrotas em sete compromissos. Mas, como visitantes, os Canários têm um desempenho risível. Sofreram cinco derrotas em oito rodadas, anotando apenas quatro gols e sofrendo 12. O passeio diante do Akhisarspor nesta rodada foi um dos maiores chocolates, ao lado dos 3 a 0 aplicados pelo Rizespor – então penúltimo colocado, atual lanterna.

Um problema sério está no departamento médico. Vários jogadores importantes estão lesionados, incluindo Mathieu Valbuena, André Ayew, Michael Frey e Tolga Cigerci. Mas, pelo nível de investimento, não dá para desculpar o elenco tarimbado pelos péssimos resultados. E como se a falta de resultados não bastasse, há algumas semanas, a diretoria suspendeu três jogadores por rusgas internas, incluindo os experientes Volkan Demirel e Nabil Dirar. O elenco curto não transmite muita confiança, sob as expectativas de que contratações aconteçam em janeiro. E as críticas sobre o novo presidente aumentam, após ele chegar cotado para realizar uma revolução na administração.

Com apenas 14 pontos conquistados, o Fenerbahçe ainda pode terminar a rodada na vice-lanterna, caso o Kayserispor vença o seu compromisso. E já são 16 pontos de distância em relação ao líder Istambul Basaksehir, além de 11 ao G-4 – curiosamente, no qual também não figuram Besiktas e Galatasaray, fora pelos critérios de desempate. A situação do Fener, de qualquer maneira, é incomparavelmente pior. A um clube que só 12 vezes não terminou no pódio da Süper Lig, e nunca ficou abaixo do décimo lugar, a situação soa como calamidade. Pela força financeira e esportiva dos Canários, é bem provável que se recuperem no segundo turno. Ainda assim, o vexame oferece o deleite aos rivais de Istambul. Resta o consolo, ao menos, de já estarem garantidos nos mata-matas da Liga Europa.