Marcos Rojo não deixará muitas saudades em Old Trafford. O argentino passou cinco temporadas e meia vestindo as cores do Manchester United, em uma transferência que parecia acima de suas qualidades e que ajuda a apresentar os muitos erros dos Red Devils no mercado de transferências. No entanto, ainda assim, o defensor de 29 anos desembarca cheio de moral ao seu próximo destino. Foi recebido como um ídolo pelo Estudiantes, em empréstimo firmado até o final do ano, com uma cláusula que permite sua saída na metade deste período. O contrato com os ingleses, por sua vez, vai até junho de 2021.

A recepção calorosa para Rojo vai além das questões esportivas. O defensor é cria do Estudiantes e surgiu na equipe principal justamente no áureo ano de 2009, quando foi reserva na conquista da Libertadores e enfrentou o Barcelona durante a prorrogação do Mundial. Titular em La Plata e convocado pela seleção argentina a partir de 2011, naquele mesmo período o defensor iniciaria sua empreitada na Europa, ao defender Spartak Moscou e Sporting. Já a campanha na Copa do Mundo de 2014 fez o United desembolsar €20 milhões em sua compra.

Sempre pareceu que Rojo não era jogador ao Manchester United, seja atuando como lateral ou zagueiro. As deficiências se evidenciavam bem mais que as qualidades. No entanto, é preciso ponderar que o argentino enfrentou diferentes problemas de lesões ao longo de sua passagem por Old Trafford. As questões físicas atrapalharam bastante sua sequência e, desde a Copa de 2018, ele disputou míseras oito partidas pela Premier League. Seu moral se sustentava um pouco mais pela boa relação com parte da torcida – muitas vezes presente nas arquibancadas visitantes durante seus períodos no estaleiro, bem como pelo protagonismo na massiva briga nos vestiários contra o Manchester City em dezembro de 2017. De qualquer maneira, já era hora de buscar novos rumos.

Aos 29 anos, Rojo tem idade para jogar por um bom tempo. As preocupações se concentram mesmo sobre sua propensão em se lesionar. Mas, em um campeonato de menor nível como o Argentino, o defensor não deixa de ser um baita acréscimo ao Estudiantes. A proximidade com o agora presidente Juan Sebastián Verón, seu antigo companheiro, certamente pesou no negócio. E ele terá a chance de se consagrar num momento de renovação do clube, sobretudo após a reinauguração do Estádio Jorge Luis Hirschi.

Rojo se reencontrará ainda com Javier Mascherano, anunciado como reforço pelos pincharratas no final de 2019. O Estudiantes vem de um mercado movimentado, em que trouxe Martín Cauteruccio, antigo centroavante do San Lorenzo que estava no Cruz Azul. Também volta de empréstimo o ponta Lucas Rodríguez e o lateral Álvaro Pereira, enquanto o meia Mauro Díaz completa o pacotão de reforços. O clube de La Plata ocupa o 12° lugar na Superliga, mas está a apenas quatro pontos da zona de classificação à Libertadores. Os veteranos podem ajudar.

O anúncio pomposo feito pelo Estudiantes nesta quinta soa um pouco como carência. No entanto, também há uma relação afetiva do jogador que sempre demonstrou seu carinho pela instituição e que não escondeu a emoção por “voltar para casa”, neste momento em que não via muito futuro na Europa. Por sua própria personalidade, dedicação não faltará na busca pela volta por cima. Caberá ao agora técnico Gabi Milito tirar o melhor de seu reforço para a zaga.