O Estádio Ciutat de Valencia traz péssimas recordações ao Barcelona. Foi lá, afinal, que a campanha invicta na última edição de La Liga ruiu. Já em maio, o Levante não perdoou os erros defensivos dos blaugranas e conquistou a épica vitória por 5 a 4. Neste domingo, novamente, o Barça teria problemas ao encarar os Granotas no estádio. Encontrava dificuldades em sua desfalcada defesa e tomou pressão ao longo do primeiro tempo. Contudo, diferentemente do que ocorrera sete meses atrás, existia um Lionel Messi em campo. E o craque se tornou o estalo ao inesperado passeio, pela maneira como o duelo se desenhava até a abertura do placar. Com três gols e duas assistências, o camisa 10 acabou com os anfitriões. Como há sete meses, o vencedor balançou as redes cinco vezes. Levante 0x5 Barcelona, com todos os aplausos ao gênio.

Sem opções na lateral direita, Ernesto Valverde resolveu escalar o Barcelona em pouco usual formação com três zagueiros. Ousmane Dembélé fechava a ala direita, enquanto os zagueiros precisariam cuidar da sobra por ali. Não funcionou. O Levante era muito melhor na primeira meia hora de jogo, botando pressão e aproveitando a velocidade pelos lados de campo. Carrasco no referido jogo de maio, Emmanuel Boateng forçou uma grande defesa de Marc-André ter Stegen e também carimbou o travessão em outro lance. Os blaugranas mal passavam do meio-campo, sofrendo com a intensidade dos Granotas. Nas raras chegadas, dependeram de chutes de Messi de fora da área.

O lance que mudou os rumos do jogo aconteceu aos 35 minutos. Iniciou-se com a pressão do Barcelona na marcação, forçando um desarme no campo de ataque. Então, a bola chegou a Messi e ele resolveu. Recebendo na entrada da área, o craque arrancou em diagonal. Quase perdeu a posse, mas recuperou e avançou à esquerda. Pois aí que o mágico tirou o coelho da cartola: no bico da grande área, mesmo cercado, descolou um cruzamento sublime por entre os defensores. Conexão direta com Luis Suárez, seu parceiro por telepatia, livre para fuzilar dentro da área. E a segurança se confirmaria aos 43, com o segundo gol. Sergio Busquets roubou a bola na intermediária e já ligou o contragolpe com Messi. O artilheiro pegou a defesa desmontada e não teve problemas para ampliar.

Logo aos dois minutos do segundo tempo, mais um do Barcelona, mais um de Messi. Suárez puxou o contra-ataque e passou a Jordi Alba na esquerda. O lateral acionou o camisa 10, que bateu de primeira, no cantinho. O Levante até manteve uma postura corajosa, tentando recobrar o prejuízo. Exigiu grandes defesas de Stegen. Mas também se expunha aos contragolpes, o que foi a sua perdição. Arthur, saindo do banco, deu um passe magistral a Suárez e o uruguaio bateu em cima do goleiro. Logo depois, aos 14, o uruguaio se redimiu ao aprontar toda a jogada do quarto tento. Deu uma caneta no marcador e descolou um passe de trivela a Arturo Vidal, do outro lado da área. O chileno não foi egoísta e encontrou Messi livre, para completar sua tripleta.

O jogo era aberto, com os dois times criando chances para marcar. E a situação do Levante ficou pior aos 31, quando Erick Cabaco recebeu o vermelho direto por entrada desleal em Dembélé. Depois de alguns lances claros desperdiçados pelo Barça e de uma bela ponte de Stegen em chute colocado de Borja Mayoral, o quinto gol saiu aos 42. Piqué tomou a bola na própria área e arrancou. Avançou por toda a intermediária e, já se projetando como atacante, entregou a Coutinho. O substituto fez fila na entrada da área e passou a Messi, que então ajeitou ao centroavante Piqué. O veterano ainda deu um corte seco em Coke, antes de arrematar por baixo do goleiro. Fim da festa.

O Levante terminou a partida com mais finalizações, 20 a 16. O problema é encarar Messi. Dos 16 arremates de sua equipe, ele executou sete e deu o passe final para outros sete. Prova absoluta de sua preponderância, mesmo que Suárez também estivesse inspirado na noite. O argentino anotou 14 gols neste Espanhol. Nenhum outro jogador nas cinco grandes ligas europeias balançou as redes tantas vezes até agora. Além disso, são 14 tentos e 10 assistências em apenas 14 jogos disputados pelo camisa 10 no torneio. Sozinho, Messi produziu mais gols que outros 14 times da Liga. Atlético de Madrid e Real Madrid também anotaram 24 gols na campanha até o momento.

Apesar do rendimento absurdo de Messi, o Barcelona não possui uma vantagem tão confortável assim na liderança. Soma 34 pontos, três a mais que Sevilla e Atlético. A falta de equilíbrio na equipe de Ernesto Valverde é um problema da caminhada. Já o Levante, apesar do ataque positivo, tem sérios problemas na defesa. É o oitavo colocado, com 22 pontos, mas a sequência ruim nas últimas semanas começa a dificultar suas condições na luta pelas copas europeias. Pode fechar a rodada até cinco pontos abaixo da zona de classificação à Liga Europa.