Para um time com problemas visíveis na primeira metade da temporada, o Bayern de Munique anda silencioso demais na janela de transferências. A contratação de Alexander Nübel fez barulho, mas o goleiro chegará apenas para 2020/21. O primeiro reforço, de fato, acabou anunciado nesta semana: o empréstimo de Álvaro Odriozola, lateral que andava sem muito espaço com o Real Madrid. O novo camisa 2 assina por seis meses, sem cláusula de recompra estabelecida pelos bávaros. Seu objetivo, além de ganhar minutos, é recuperar seu espaço na seleção a tempo de disputar a Euro 2020.

Odriozola vem ao Bayern para resolver um problema do clube na lateral direita. O sistema defensivo se renovou bastante para a atual temporada, mas sofre com os seguidos desfalques por lesão. Niklas Süle e Lucas Hernández tiveram contusões ligamentares, enquanto Jérôme Boateng não apresenta condições físicas confiáveis há tempos. A falta de opções se tornou evidente. David Alaba começou a ser improvisado como zagueiro, enquanto Alphonso Davies assumiu a lateral esquerda – quando antes era mais utilizado como ponta. Já do lado direito, Benjamin Pavard ficou sozinho, mas tantas vezes foi para o miolo de zaga e Joshua Kimmich retomou a lateral, mesmo após ser efetivado no meio-campo.

Dificilmente o Bayern encontraria uma alternativa melhor no mercado que Odriozola, pelas condições do negócio e pela qualidade do jogador. O reforço mantém Kimmich na faixa central, enquanto permite a Pavard ser utilizado com mais frequência como zagueiro. Aos 24 anos recém-completados, o espanhol possui muita qualidade no apoio e facilidade para gerar ocasiões de gol. Firmou-se entre os melhores laterais da Espanha quando surgiu com a camisa da Real Sociedad, mas sucumbiu à concorrência de Dani Carvajal desde o retorno de Zinedine Zidane ao comando técnico. Sequer vinha sendo considerado uma opção à rotação no setor, como acontece do lado esquerdo merengue.

Durante a temporada passada, a primeira de Odriozola com o Real Madrid, ele fez aparições constantes sob as ordens de Julen Lopetegui e teve algumas boas atuações, mesmo sem ser titular. Com Zidane, o novato até aproveitou uma sequência em que Carvajal estava indisponível, mas lesionou a clavícula no fim da campanha e perdeu espaço de vez na atual temporada. Foram cinco partidas com a equipe em 2019/20, quatro até outubro, e muitas vezes o basco sequer foi relacionado. Carvajal permanece como intocável na equipe e, se pintar uma necessidade, Nacho Fernández ou Éder Militão podem quebrar um galho por ali.

Por mais que Odriozola fosse o reserva imediato de Carvajal, as eventualidades nunca aconteciam. Para quem ainda deseja figurar na seleção espanhola, era melhor procurar novos rumos. E o Bayern de Munique surgiu como um destino dos sonhos para esses próximos seis meses. O jovem tem boas perspectivas de se tornar titular, entra em uma das equipes mais poderosas do continente e também terá espaço para exibir suas virtudes. A fase excepcional de Robert Lewandowski pode ajudar o novato a se consagrar, considerando suas constantes subidas à linha de fundo para apoiar.

Desde sua presença na Copa do Mundo de 2018, Odriozola não foi mais convocado à seleção espanhola. Carvajal é o dono da posição, com Jesús Navas ocupando a reserva. O veterano vive um bom momento no Sevilla, e a única cartada de Odriozola seria mesmo causar impacto num gigante como o Bayern de Munique. Além do mais, os próximos seis meses correspondem muito ao próprio desenvolvimento da carreira do basco. Quem sabe, para que os bávaros o contratem e o Real Madrid recupere parte dos €30 milhões investidos inicialmente na transação. Depois de um ano e meio, ficar esquentando o banco parece pouquíssimo ao valor.

E o mais impressionante é a forma como Carvajal se manteve intocável desde seu retorno ao Real Madrid. Cria da base, passou um ano emprestado ao Bayer Leverkusen em 2012/13, quando se saiu muito bem e realmente convenceu os merengues de que deveria atuar. Desde então, sempre se manteve como a opção principal, apesar da concorrência de jogadores com nível de seleção. Álvaro Arbeloa e Danilo eram mais badalados, mas perderam a queda de braço. Da mesma maneira, Achraf Hakimi e Odriozola precisaram buscar espaço em outro lugar.

Pegando o exemplo de Carvajal ou do próprio Hakimi, os meses na Bundesliga podem fazer bem a Odriozola, no sentido de aprimorar o seu futebol. Rumo à próxima temporada, Odriozola e Hakimi retornam de seus empréstimos e um deles tende a ficar como reposição no Bernabéu. Parece pouco ao marroquino, considerando a ótima forma que ele apresenta desde que chegou ao Borussia Dortmund. O basco terá uma chance ainda melhor de indicar o mesmo.