Quando Takefusa Kubo ainda atuava nas categorias de base do Barcelona, havia quem o chamasse de “Messi japonês”. A transferência ao Real Madrid, por sua vez, desencadeou o que os jornais espanhóis chamaram de “Kubomania”. De fato, há uma expectativa enorme sobre a transformação do jovem meio-campista em craque. Mas, por enquanto, o nipônico ainda precisa se provar e terá uma temporada para atrair olhares no Campeonato Espanhol. Nesta quinta-feira, o Mallorca anunciou o empréstimo do jogador de 18 anos, que tentará ajudar os bermellones em seu salto de volta à primeira divisão.

A badalação ao redor de Kubo não se limita ao que aprontou nas canteras barcelonistas ou ao breve alívio que proporcionou na conturbada pré-temporada merengue. O adolescente comprovava o seu talento no Campeonato Japonês e foi por causa disso que o Real Madrid bancou o seu futebol. O meia vinha ganhando espaço na J-League e passou brevemente emprestado pelo Yokohama F. Marinos durante a temporada passada. Já na atual edição da competição, sua contribuição, embora curta, causou impacto. Anotou quatro gols e deu quatro assistências em 13 partidas pelo FC Tokyo, que disparou na liderança desde o início da campanha e segue pleiteando o título inédito. Entretanto, os madridistas tiveram mais pressa para levá-lo à Espanha.

A princípio, Kubo deveria fazer uma temporada de transição no Real Madrid, algo parecido ao ocorrido com Vinícius Júnior no último ano. O japonês disputaria partidas com o Real Madrid Castilla e poderia ser utilizado pelo elenco principal quando Zinedine Zidane bem entendesse. Porém, a situação não o favorecia. Entre o baixo nível da terceira divisão e a bagunça do primeiro time, as chances do meio-campista ser mal aproveitado se sugeriam enormes. O próprio protecionismo de Zizou aos seus homens de confiança não ajuda. Assim, se as boas participações na pré-temporada não foram suficientes para o prodígio romper a igrejinha do Bernabéu, ao menos convenceram que ele precisaria de espaço. O Mallorca é o destino.

Kubo chegará a um clube que se reconstrói. O Mallorca conquistou dois acessos consecutivos e vem de uma crise gigantesca, embora restabeleça suas estruturas com uma boa gestão. Os bermellones não cometeram loucuras no mercado de transferências e trabalharam basicamente com a manutenção do elenco que veio da segundona. O japonês surge para ser o toque de classe nesta mistura. Poderá se adaptar ao futebol espanhol, apesar das dificuldades que sua nova equipe encarará. Assim, os merengues esperam moldá-lo um pouco mais.

Tecnicamente, Kubo já se mostrou um jogador acima da média. A própria experiência na Copa América, sua primeira competição em alto nível com a seleção japonesa, indicou como está preparado para se meter entre os grandes. Mesmo sem ter grande porte físico, compensa com o ótimo trato que dá à bola e com sua velocidade de raciocínio. Em uma competição de tiro curto, foi o suficiente para agradar. Agora, tentará imprimir este ritmo com mais regularidade ao longo de La Liga, dentro de um time que deve ser pressionado pela maioria absoluta dos adversários. O empréstimo ao Mallorca tende a ajudá-lo no trato defensivo, enquanto também exigirá seus lampejos nos poucos momentos em que puder trabalhar com a bola.

Será um motivo a mais para acompanhar os bermellones neste retorno à primeira divisão. Além da simpatia que provoca, por sua ascensão recente e também por seus feitos nas últimas décadas, o Mallorca resguardará uma das maiores promessas do futebol espanhol. A jornada nas Ilhas Baleares poderá garantir a eclosão de um craque, que também mira o protagonismo nos Jogos Olímpicos de Tóquio. A um clube que, quase 20 anos atrás, já se responsabilizou por lapidar Samuel Eto’o, parece até mesmo um reencontro com a história. Mas, diferentemente ao que aconteceu com o camaronês, o Real Madrid pretende aproveitar bem mais Kubo no futuro.