Valencia, Shakhtar Donetsk, Malmö, Maccabi Tel Aviv e Dinamo Zagreb são os primeiros a sobreviver aos playoffs da Liga dos Campeões. Passaram pelas etapas eliminatórias e se juntam aos outros 27 times já confirmados na fase de grupos. Em uma rodada cheia de gols, os jogos foram parelhos. O Valencia contou com um golaço de Negredo e aproveitou a vantagem conquistada no Mestalla para se tornar o quinto clube espanhol na próxima etapa, mesmo perdendo para o Monaco por 2 a 1. Os gols sofridos em casa custaram caro ao Celtic, que caiu para o Malmö por 2 a 0 na Suécia. Já o Maccabi Tel Aviv se valeu do 2 a 2 na Suíça para segurar o 1 a 1 contra o Basel em Israel. E o Shakhtar, mesmo tomando uma bola na trave aos 49 do segundo tempo, passou com o empate por 2 a 2 diante do Rapid Viena.

A classificação mais fácil veio com o Dinamo Zagreb. Justamente um dos pequenos a ficar de olho na fase de grupos da Champions. É verdade que a classificação tranquila dos croatas não é apenas explicada por seus próprios méritos. Ainda que estivesse fazendo história, como o primeiro clube albanês a chegar à fase de grupos de uma competição europeia (o que se consumou na Liga Europa, apesar da derrota), o Skenderbëu Korçë demonstrou um nível muito baixo. Erros excessivos que explicam a vitória do Dinamo por 6 a 2 no agregado, com a goleada por 4 a 1 em Zagreb neste terça.

VEJA TAMBÉM: A torcida do Celtic criou um mosaico para contar a história dos uniformes do clube

Não faz tanto tempo que o Dinamo Zagreb chega à fase de grupos da Champions, passando pelas eliminatórias em 2011/12 e 2012/13. Naquele momento, contudo, os croatas não foram além de um saco de pancadas, perdendo 11 dos seus 12 jogos – além de sofrer 37 gols, com a até hoje suspeita derrota por 7 a 1 para o Lyon, que acabou eliminando por tabela o Ajax. Mas, ainda que não estejam entre os favoritos para avançar de fase, os azuis se mostram mais preparados desta vez.

Apenas seis jogadores que participaram da Champions 2012/13 permanecem no Dinamo, dois deles titulares. Antigos destaques, como Sammir, Leko e Simunic foram embora. Em compensação, o elenco atual dos azuis possui muito mais rodagem internacional. O goleiro português Eduardo e o atacante argelino Soudani, que já disputaram a Copa do Mundo, estão entre as referências. Além deles, o técnico Zoran Mamic também conta com outros jogadores com convocações no currículo, como o chileno Júnior Fernandes, o português Paulo Machado e o croata Gordon Schildenfeld. No entanto, não são estes que mais merecem ser observados.

O Dinamo Zagreb possui um dos melhores trabalhos de base do mundo. Além de formar talentos, também sabe garimpar jovens no clube da região e fazê-los estourar. Basta olhar para os times que sofreram nas últimas participações na Champions. Apesar das goleadas, daquele grupo saíram nomes como Kovacic (Real Madrid), Halilovic (Barcelona), Brozovic (Internazionale), Jedvaj (Bayer Leverkusen), Cop (Málaga), Vrsaljko (Sassuolo), Badelj (Fiorentina), Kramaric (Leicester) e Vida (Dynamo Moscou). Todos na época com menos de 23 anos e enorme potencial.

VEJA TAMBÉM: A Albânia está prestes a viver, na Champions, o seu maior momento no futebol

Dos 25 jogadores que entraram em campo nesta temporada pelo Dinamo, 11 tem 24 anos ou menos. O nome mais conhecido está no ataque, e foi contratado junto ao Manchester United: Ángelo Henríquez, chileno de 21 anos que fez parte da conquista da última Copa América. Revelado pela Universidad de Chile, o jovem anotou 20 gols no último Campeonato Croata. E os principais prodígios o acompanham no ataque. O centroavante Armin Hodzic, bósnio de 20 anos, já fez seis gols em oito jogos na temporada, incluindo um contra o Skenderbëu. O ponta Marko Pjaca chegou a ser especulado no Bayern de Munique, junto com o zagueiro Jozo Simunovic. Marko Rog já é o motor do meio-campo aos 20 anos, acompanhado por Ante Coric, de 18. E o capitão é Arijan Ademi, de 24, vinculado ao Arsenal no último ano.

A participação na fase de grupos da Champions fortalece as finanças do Dinamo Zagreb. Entretanto, o clube já consegue alimentar o seu ciclo virtuoso com o dinheiro da venda de suas promessas. Nas últimas 10 temporadas, os azuis conseguiram fazer mais de € 130 milhões em transferências – valor considerável, levando em conta que vendem quase sempre promessas de pouca idade e que nunca foram testadas em uma grande liga. Além dos nomes já citados, entre os outros talentos que se formaram no Estádio Maksimir durante este período também estão Luka Modric, Dejan Lovren e Mario Mandzukic.

Apostar em promessas pode não ser garantia de uma grande campanha na Champions. Ainda assim, a fórmula ajuda a manter o domínio histórico do Dinamo no Campeonato Croata, conquistando o décimo título consecutivo na última temporada e longe de ser acompanhado pelo rival Hajduk Split. Já no torneio continental, o objetivo é manter a dignidade. Melhor ainda se alguma promessa puder se cumprir na LC e ajudar na produção da fábrica de talentos em Zagreb.