Ainda que alguns cometam a sandice de dizer o contrário, Lionel Messi possui um vasto arsenal de jogadas. E o inegável talento do camisa 10 para conduzir a bola se aliou a outras virtudes aprimoradas ao longo dos últimos anos. O ponta driblador dos primórdios se transformou em artilheiro implacável, até se tornar o camisa 10 cerebral e também letal dos últimos tempos. Do imprevisível que paradoxalmente se espera do craque, as bolas paradas viraram cada vez mais um pesadelo aos goleiros. Pois foi a partir das faltas na entrada da área que o argentino comandou mais um passeio do Barcelona no dérbi contra o Espanyol. Dentro de Cornellà-El Prat, Messi guardou duas bolas na gaveta e ainda deu uma assistência, protagonista inescapável na goleada por 4 a 0 em La Liga.

O Barcelona iniciou a partida com o tridente formado por Messi, Luis Suárez e Ousmane Dembélé. Atacando com velocidade, os visitantes começaram criando as primeiras chances e abriram o placar aos 17 minutos. A primeira falta perfeita do camisa 10. A bola foi posicionada frontalmente, pronta tanto ao pé esquerdo de Messi quanto ao direito de Suárez. Mas foi a canhota do argentino que a acariciou, mandando-a por cima da barreira e rente à trave de Diego López, que saltou em vão. Golaço. O arqueiro faria grande defesa na sequência, mas logo o segundo gol viria aos 26 minutos, com Dembélé. Desta vez em lance de raça de Messi, que brigou pela bola na entrada da área, antes de descolar um passe ao francês que ninguém mais vislumbrou. Com espaço pela esquerda, o ponta fintou o marcador e bateu bonito para tirar do alcance do goleiro.

A goleada começou a tomar forma e o Barcelona acertou duas bolas na trave em sequência, uma com Suárez e outra com Messi, além de forçar outra boa intervenção de Diego López. Já aos 45, enfim, o Pistoleiro foi premiado com seu gol. Em contra-ataque iniciado por uma roubada de bola do onipresente Messi, Dembélé lançou Suárez. O uruguaio ganhou do marcador na velocidade e, mesmo sem ângulo, finalizou na linha de fundo. A bola bateu no calcanhar de Diego López e acabou entrando. Vantagem suficiente para que o Barça administrasse o segundo tempo.

Diego López e Marc-André ter Stegen fizeram novas defesas, até que o último gol ocorresse aos 20 minutos. Mais uma vez, Messi. De novo, cobrando falta. Desta vez a bola estava mais à esquerda da área, teoricamente em posição favorável a um destro. Teoricamente. Desta vez o canhoto mandou por fora da barreira e da mesma maneira matou a coruja na meta do Espanyol. Diego López sequer saiu na foto. No final, os Pericos tentaram anotar o de honra, sem sucesso. Óscar Duarte até balançou as redes, mas o tento foi anulado por impedimento. Não era a noite dos anfitriões, que pela quarta vez na história do Campeonato Espanhol perderam o clássico em casa por quatro gols de diferença – a maior goleada nestas nove décadas de competição.

Messi, em especial, acumula números assombrosos. O camisa 10 tem 27 gols cobrando falta pelo Campeonato Espanhol, segundo dados do Mister Chip. Destes, 19 vieram nos últimos quatro anos. Pegando todas as quatro grandes ligas europeias, a Juventus foi o clube mais próximo a anotar tantos gols de falta, 18 ao todo. Além disso, apenas em 2018, Messi assinalou nove gols de falta. Pela segunda vez na carreira, e a primeira por La Liga, o camisa 10 fez dois gols de falta no mesmo jogo.

O Barcelona abre vantagem na liderança do Espanhol. Com o empate do Sevilla, os catalães somam três pontos a mais que os andaluzes, 31 no total. Que não seja uma campanha brilhante dos blaugranas, vacilando bastante na defesa, o ataque e o talento de Messi compensam em uma temporada tão equilibrada na Espanha. O argentino se igualou a Cristhian Stuani na artilharia do torneio, ambos com 11 gols, e ainda lidera as assistências, com oito. O Espanyol, por sua vez, emendou sua quarta derrota consecutiva e cai na tabela. É o nono, com 21 pontos, a três da zona de classificação à Champions.