Uma das principais metas do Arsenal é melhorar seu aproveitamento como visitante. Dificilmente a defesa dos Gunners consegue permanecer invicta nas partidas longe de seus domínios e os resultados naturalmente oscilam. Na última semana, a torcida ganhou motivos para sorrir, com a evolução do time de Unai Emery neste sentido. Derrotou o Watford pela Premier League, antes de confirmar a classificação contra o Napoli na Liga Europa dentro do Estádio San Paolo. Só que os londrinos não recebem uma trégua nem mesmo para se empolgar. Na fortaleza do Emirates, a equipe sofreu uma dura derrota neste domingo – sua primeira em casa pela liga desde agosto. Colecionando falhas defensivas, em nenhum momento conseguiu ficar à frente do placar. Permitiu que o Crystal Palace, já sem grandes interesses na tabela, conquistasse a vitória por 3 a 2. Um resultado custoso aos anfitriões, em rodada que parecia favorável na briga pelo G-4.

Unai Emery optou por rodar algumas peças, sobretudo na defesa, expondo a inconsistência de seu elenco. Enquanto isso, o Crystal Palace soube muito bem aproveitar sua qualidade nas bolas paradas para conquistar o resultado. O primeiro aviso aconteceu logo nos minutos iniciais, em cabeçada livre de Martin Kelly que passou por cima do travessão. Aos 17, porém, as Águias asseguraram a vantagem. Luka Milivojevic cobrou falta pelo lado direito e Christian Benteke apareceu completamente livre para cabecear. Bernd Leno ainda tocou na bola, mas não conseguiu evitar o gol. O centroavante ainda não tinha balançado as redes nesta temporada, embora tenha passado meses lesionado e perdido seu espaço entre os titulares.

Do outro lado, o Arsenal tinha dificuldades para abrir a defesa do Crystal Palace. Só conseguiu responder na mesma moeda, as bolas paradas, mas sem direção. Além disso, os anfitriões reclamaram de um pênalti não marcado pela arbitragem, por toque de mão. E o espaço concedido aos contra-ataques quase complicou os Gunners pouco antes do intervalo. Leno realizou duas defesas espetaculares para evitar que Cheikhou Kouyaté ampliasse a diferença.

No segundo tempo, Unai Emery voltou com duas mudanças. E a nova postura pareceu empurrar os Gunners rumo ao empate. Mesut Özil igualou o placar aos dois minutos, recebendo um lindo passe de Alexandre Lacazette, antes de finalizar com calma por cima do goleiro Vicente Guaita. Parecia uma reação, o que desmoronou aos 16, quando Shkodran Mustafi entregou o segundo gol ao Palace. O zagueiro permitiu que Wilfried Zaha tomasse à sua frente e, sozinho com Leno, mandasse para dentro. Por fim, as esperanças se esvaíram aos 24, em cobrança de escanteio que James McArthur arrematou. Restando 13 minutos para o fim do tempo regulamentar, Pierre-Emerick Aubameyang até descontou em um chute rasteiro, mas os anfitriões não conseguiram impor uma pressão suficiente ao empate.

A sequência de dez vitórias consecutivas no Emirates se esfarelou. E o Arsenal realmente terá que se provar fora de casa, visitando Wolverhampton e Leicester em seus dois próximos compromissos. A equipe ainda ocupa a quarta colocação, com 66 pontos. Se as derrotas de Tottenham (67) e Manchester United (64) evitaram um prejuízo maior, os londrinos remoem a oportunidade desperdiçada. Quem agradece é o Chelsea (66), que pode entrar para o G-4 se derrotar o Burnley nesta segunda. Enquanto isso, o Crystal Palace ri de longe. Com 42 pontos, já não corre mais riscos de rebaixamento, embora também não tenha forças para alcançar a Liga Europa. Sai do Emirates como um moleque travesso a bagunçar o topo da tabela.