Imagine viver um jogo de Liga dos Campeões. Ganhar a oportunidade de se tornar o roupeiro do Real Madrid em Old Trafford, em um confronto decisivo contra o Manchester United. De quebra, conhecer Cristiano Ronaldo, Diego Maradona, Mesut Özil e Kaká. Tudo isso, graças a sua boa relação com José Mourinho. O conto de fadas aconteceu de verdade com Abel Rodríguez, mexicano de 41 anos que trabalha na limpeza dos metrôs de Los Angeles.

A história é contada pelo jornalista Grant Wahl, da revista Sports Illustrated. E, para desfrutar de tamanho privilégio, Rodríguez trabalhou duro e de graça. Ao longo dos últimos sete anos, o mexicano tirou férias para ser voluntário nas pré-temporadas que as equipes treinadas por Mourinho fizeram nos EUA. Fã de futebol europeu desde a criança, acordava todos os dias às cinco da manhã e se dirigia ao campo de treinamento da UCLA. Auxiliava o português em qualquer serviço e só voltava para casa às 11 da noite.

No último mês de março, Rodríguez resolveu realizar um sonho. Queria assistir ao clássico entre Real Madrid e Barcelona das arquibancadas do Santiago Bernabéu. Com o apoio da família, pegou o voo e chegou à capital espanhola quatro dias antes da partida.

A realização do desejo de Rodríguez, no entanto, passava por vários obstáculos. O mexicano não tinha o ingresso para o jogo, nem mesmo reserva em um hotel. Com a cara e com a coragem, foi até o centro de treinamentos do Real Madrid tentar conversar com a comissão técnica. Obviamente, foi barrado pelos seguranças e não passou do portão.

Foi então que a sorte do fanático começou a mudar. Havia nevado em Madri na noite anterior e, com frio, Rodríguez se sentou na beira da estrada. Acabou avistado por José Mourinho, que saía do CT com seu assistente, Rui Faria. “Foi um milagre. Vi Abel sentado do lado de fora de Valdebebas. Sempre há muitas pessoas por ali, mas o enxerguei e disse a Rui para parar o carro”, conta Mourinho.

130410115914-abel-rodriguez-chicharito-single-image-cutRodríguez relatou sua epopeia ao técnico, que abriu as portas do clube a ele. O mexicano ficou hospedado na concentração merengue, jantou com a comissão técnica, assistiu ao jogo em um bom lugar no estádio e visitou os vestiários. E, quando planejava voltar a Los Angeles, Mourinho o convidou para ser roupeiro contra o United. O visitante ainda tentou justificar que não poderia pagar, mas ouviu a negativa: “Quando você está comigo na Europa, não paga por nada. Você nos ajudará e viverá um grande sonho, uma partida de Champions por dentro!”.

O convite de Mourinho arrancou lágrimas de Rodríguez. Três dias depois, o torcedor estava em Old Trafford, ao lado das estrelas de Real Madrid e United. Sem saber de nada, ganhou ao final do jogo a camisa de Chicharito Hernández, que ficou sabendo da história de seu compatriota através de Mourinho. E, enquanto todos pensavam que Ferguson estava furioso pela expulsão de Nani, o roupeiro teve a oportunidade de mandar um recado do escocês a Mourinho: “Diga para José que o vinho está pronto e que ele deve se apressar”.

Na volta a Los Angeles, Rodríguez recebeu presentes de outros jogadores, incluindo as chuteiras de Kaká e a bola do jogo. E ainda ouviu um último agrado de Mourinho, apontando-o como talismã: “Todos no Real Madrid estavam felizes, porque eles o conheceram na pré-temporada e sabem que ele trabalha duro e é uma grande pessoa. Ele estava conosco e ganhamos as duas partidas! As pessoas diziam que ele tinha que ficar”. A melhor recompensa possível que Rodríguez poderia receber pelos serviços prestados.