O tricampeonato insosso do Bayern, confirmado do sofá ao ver a vitória do Borussia Mönchengladbach sobre o Wolfsburg, fez muita gente urgir contra os pontos corridos. É verdade que muitas vezes a fórmula não garante emoção no desfecho. Assim como existem várias finais mornas. E, para quem defende a fórmula dos dois turnos, um ótimo argumento surgiu poucas horas depois da conquista de controle remoto dos alemães. No Chile, o Cobresal faturou a inédita taça do campeonato nacional com uma rodada de antecedência. E que rodada. Precisando vencer e torcer por um tropeço da Universidad Católica, os mineros conseguiram o troféu do Torneio Clausura da forma mais dramática possível.

VEJA TAMBÉM: Como jogam os 16 times sobreviventes da Libertadores

Afinal, a Católica não dava impressão nenhuma de que tropeçaria diante do Deportes Iquique. Com 34 minutos de jogo, a equipe da capital abriu 3 a 0 em casa. Já o Cobresal se debatia para tentar superar o lanterníssimo Barnechea, dono de uma mísera vitória nas 15 rodadas anteriores. Os visitantes abriram o placar no Estadio El Cobre, tomaram o empate dos mineros e voltaram a ficar na frente antes do intervalo. Àquela altura, o título parecia ser decidido mesmo na rodada final.

Porém, o Cobresal alcançou um milagre tão grande quanto o vivido pelos 33 operários soterrados na Mina de San José em 2010 – evento ao qual o clube está diretamente ligado, por ser da mesma região e ter sido fundado pela Codelco, a estatal chilena do cobre para qual os sobreviventes trabalhavam. Em Santiago, o Iquique fez três gols contra a Universidad Católica antes dos 22 minutos do segundo tempo, buscando o empate por 3 a 3. Já o Cobresal empatou em El Salvador aos 18 e virou aos 38, com o gol heroico de Donoso cobrando pênalti. Nos minutos finais, o Cobresal ainda teve que torcer com o Iquique com 10 em campo, que segurou a Católica.

VEJA TAMBÉM: Vitória da Conquista, Operário, Salgueiro: os pequenos coparam no domingo de decisões

O título suado proporcionou uma enorme festa para o Cobresal em seu estádio. Com motivos, não apenas por tudo o que o clube passou neste domingo. Durante os últimos anos, os mineros conviveram com a incerteza entre a saída da Codelco de El Salvador, assim como a diminuição da participação da estatal na administração do clube. Em crise, o Cobresal flertou com o descenso, se salvando nos playoffs do descenso por duas vezes desde 2012. Além disso, o norte do Chile sofreu com temporais no final de março, com inundações e desabamentos que deixaram 25 mortos e 101 desaparecidos.  Na saída de campo, os jogadores dedicaram a conquista às vítimas.

Fundado em 1979, o Cobresal nunca tinha ido além do vice-campeonato chileno. Bateu na trave por duas vezes, em 1984 e 1988. Época em que o clube era estrelado pelo jovem Iván Zamorano, maior revelação da história do clube, e pelo meio-campista Franklin Lobos, que viria a ser um dos mineiros resgatados em San José. Já nos últimos anos, outro nome de destaque que defendeu a equipe foi Charles Aránguiz, emprestado pelo Cobreloa durante uma temporada.

O título do Clausura também garante o Cobresal na Copa Libertadores de 2016, sendo a segunda equipe a assegurar a vaga. O retorno ao torneio continental acontece após 30 anos. A mera presença, de qualquer maneira, já representa demais para os mineros. Um alento para uma torcida que passou por tantas dificuldades, bem como para o resto da população local, apesar de todo o sofrimento deste domingo.