O Widzew Lodz figurou entre as principais forças do futebol polonês durante os anos áureos do esporte no país. Quatro vezes campeões nacionais, os alvirrubros já bateram cartão nas copas europeias e formaram a espinha dorsal da seleção em um momento histórico. Os últimos anos, entretanto, se tornaram cruéis à agremiação. Acumulando problemas financeiros, ela declarou falência e precisou recomeçar na quinta divisão do Campeonato Polonês. Mas, atualmente na terceirona, a equipe teve um gostinho de sua grandeza nesta quarta-feira, pela Copa da Polônia. O encontro com o Legia Varsóvia, rival de outros tempos, permitiu à torcida realizar uma linda festa. E por muito pouco não aconteceu uma surpresa, com a apertada vitória do Legia por 3 a 2.

Fundado em 1910, o Widzew Lodz viveu sua grande ascensão a partir da década de 1970, quando se estabeleceu na primeira divisão e começou a lutar pelo topo da tabela. Os primeiros títulos vieram no início dos anos 1980, com o bicampeonato nacional. E os alvirrubros ainda teriam o orgulho de ceder quatro jogadores à seleção na campanha rumo às semifinais da Copa do Mundo de 1982: os ídolos Boniek, Smolarek, Zmuda e Mlynarczyk. Já em 1982/83, a mesma base eliminou o Liverpool na Copa dos Campeões e alcançou as semifinais do torneio, eliminada apenas pela fortíssima Juventus.

Até os anos 1990, o Widzew Lodz permaneceu como um time competitivo na Polônia. Voltou a emendar outro bicampeonato nacional e também alcançou a fase de grupos na Champions League pouco antes da virada do século. No entanto, a crise econômica abateu fortemente a agremiação na década passada, quando a gangorra entre as duas primeiras divisões do Campeonato Polonês se tornou frequente. Já o fundo do poço foi atingido na temporada 2014/15. Na segundona, os alvirrubros declararam falência e precisou recomeçar na quinta divisão da liga nacional.

Desde então, o Widzew Lodz busca sua reconstrução. Conquistou dois acessos nas últimas quatro temporadas e, na atual campanha, aparece na vice-liderança da terceira divisão. De qualquer maneira, o duelo pelos 16-avos de final da Copa da Polônia ofereceu um reencontro marcante. O Legia Varsóvia se tornou rival do Widzew Lodz muito por causa das ocasiões importantes em que as duas equipes se encaravam. Desta vez, a torcida alvirrubra tratou o clássico também como uma decisão. Quase 17 mil encheram o Estádio Miejski e proporcionaram uma atmosfera fantástica. Presenciaram um jogo inesquecível.

Depois de um primeiro tempo sem gols, o Legia Varsóvia parecia com a vitória nas mãos. José Kanté e Pawe Wszolek anotaram dois tentos logo nos primeiros sete minutos da etapa complementar. O Widzew, contudo, reagiu. Marcin Robak descontou cobrando pênalti aos 13 e o empate saiu aos 28, graças a um gol contra de Artur Jedrzejczyk. A equipe da primeira divisão ainda buscou a vitória por 3 a 2 aos 39, com Igor Lewczuk. Nada que roubasse o orgulho do Widzew, um clube com investimento bem menor, ao peitar um dos poderosos do país – especialmente poucos dias após o Legia aplicar uma impiedosa goleada de 7 a 0 sobre o Wisla Cracóvia, outra agremiação tradicional em crise.

Nas arquibancadas, a torcida do Widzew Lodz fez questão de agradecer o esforço de seus jogadores e comemorar o resultado. Na caminhada rumo à pretendida grandeza, esta partida possui o seu significado especial. De volta à empreitada na terceirona, o clube sentirá um gosto do que representa para seguir buscando sua ascensão.