Foi uma atuação irrepreensível do Manchester City. Se os xeiques investiram tantos milhões em reforços para o ataque, não teve partida em que a fortuna foi mais bem representada pelos Citizens. A equipe de Manuel Pellegrini atropelou o Tottenham por 6 a 0. Um resultado que volta a reforçar a força do clube de Manchester na Premier League depois de tantos tropeços, alçando-a à quarta colocação, seis pontos atrás do líder Arsenal.

Assim como já tinha sido nas últimas temporadas, o City é um trator no Estádio Etihad. Das sete vitórias do time na PL, seis foram em casa, mantendo 100% de aproveitamento. Derrota lá em 2013/14, apenas para o Bayern de Munique, pela fase de grupos da Liga dos Campeões. Além disso, os números de ataque e defesa contrastam com a oscilação vista na equipe longe de seus domínios.

Foram só dois gols sofridos em Manchester pelo Campeonato Inglês, contra 10 longe da cidade. E impressionantes 26 anotados, mais do que qualquer outra equipe em todas as rodadas da Premier League – Arsenal e Liverpool têm 24. Os Citizens somam 34 gols em 12 rodadas, média só batida por Barcelona e Real Madrid entre as cinco principais ligas europeias.

Contra o Tottenham, nem foi uma partida em que o City atacou o tempo todo. Porém, o setor ofensivo foi feroz quando o fez. Combinando velocidade e eficiência nas conclusões, os Citizens marcaram seus seis gols. Foram 15 finalizações dos anfitriões, apenas duas a mais que os londrinos. E, vale ponderar, os Spurs tinham a melhor defesa da Premier League até então, com exatamente seis gols sofridos nas 11 rodadas anteriores.


Mais importante é que o ataque do City funcionou como um todo. Dos seis titulares do meio para frente, apenas Samir Nasri não participou de nenhum gol. Jesus Navas, Álvaro Negredo e Sergio Agüero marcaram dois gols cada. Yaya Touré e Fernandinho também contribuíram com assistências, assim como James Milner, que saiu do banco já nos minutos finais.

Talvez pela quantidade de companheiros de alto nível, Sergio Agüero acabe ofuscado nessa produtividade toda. O argentino vem tendo um desempenho espetacular na Premier League. São dez gols e quatro assistências do craque do time, fundamental para o funcionamento da máquina ofensiva. Já tomou a artilharia na Inglaterra. Porém, por não carregar tantas responsabilidades quanto Luis Suárez, Olivier Giroud ou Robin van Persie, não fica em evidência tão grande. Prova disso é que ficou de fora dos indicados à Bola de Ouro da Fifa.

O talento à disposição do City é evidente. Para o time engrenar na Premier League, falta render o mesmo também fora de casa, onde só venceu um de seus seis jogos. Se reverter esse panorama, a goleada deste domingo não deixa dúvidas que os Citizens têm qualidade para buscar o título – e, quem sabe, também fazer uma boa campanha na Liga dos Campeões, na qual já se garantiu nas oitavas de final.