O encantamento provocado pelo Chelsea no início da temporada da Premier League se quebra. E as turbulências em relação ao trabalho de Maurizio Sarri, previstas para as primeiras rodadas, chegam apenas agora, depois da largada excelente do time. Os Blues venceram apenas um de seus últimos quatro compromissos na competição. Depois da impotência vista diante do Tottenham, a equipe sofreu a sua segunda derrota: ressuscitou o Wolverhampton, em uma virada emocionante no Estádio Molineux. Depois de um primeiro tempo brando dos Lobos, os anfitriões buscaram a vitória por 2 a 1 na segunda etapa e causaram um baque do qual os londrinos não se recuperaram.

Sarri escalou o Chelsea com algumas modificações em relação ao time que costuma ser utilizado. David Luiz e Jorginho ficaram no banco, enquanto Cesc Fàbregas ganhou mais uma oportunidade para comandar o meio. E o primeiro tempo pareceu reverberar o favoritismo dos Blues, contra um adversário em descendente. Foram nove finalizações contra duas dos visitantes, além de 67% de posse de bola. Faltou um pouco mais de efetividade ao ataque, mas o gol de Ruben Loftus-Cheek já serviu para abrir o caminho aos 18 minutos. O meia chutou do bico da grande área e contou com o desvio fatal no meio do caminho, que tirou Rui Patrício do lance. Logo depois, o português ainda faria milagre em chute de Willian, evitando o segundo. Do outro lado, os Lobos ameaçavam nos contragolpes, travados pelos londrinos.

O Chelsea poderia ter ampliado na volta do intervalo, mas desperdiçou chances claras. E pagaria caro a partir dos 14 minutos, quando o Wolverhampton iniciou sua reação. O empate veio em uma boa jogada de Morgan Gibbs-White, brilhando em sua primeira partida como titular. O garoto de 18 anos se livrou da marcação de Fàbregas e enfiou a Raúl Jiménez, batendo por baixo de Kepa Arrizabalaga – que poderia ter feito melhor. Quatro minutos depois, a virada se consumou. Willian bobeou na entrada da área e João Mourinho roubou a bola. Abriu com Matt Doherty, que cruzou para Diogo Jota escorar às redes. Os Blues demoraram a dar sinais de reação. Só conseguiram nos 15 minutos finais. Nada que evitasse a decepção.

Apesar da derrota, o Chelsea permanece no G-4, na quarta colocação. Todavia, foi ultrapassado pelo Tottenham, dois pontos à frente, e deixou o Arsenal se igualar. A distância de dez pontos em relação ao Manchester City começa a tornar o título um sonho distante e a classificação à Champions deverá mesmo ser o principal objetivo. Já o Wolverhampton interrompe a sequência de seis rodadas sem vencer. Chega aos 19 pontos, ocupando o 12° lugar e tentando galgar posições no pelotão intermediário, que pode render vaga na Liga Europa.