Depois de garantir a vitória na estreia do Pré-Olímpico, o Brasil deu sinais de sua evolução no segundo compromisso pelo torneio sub-23. A seleção comandada por André Jardine enfrentou o Uruguai e conquistou uma importante vitória contra o adversário mais tradicional do Grupo B. Os brasileiros tiveram alguns sustos ao longo da noite, mas fizeram uma apresentação bem mais solta no ataque e construíram o merecido placar de 3 a 1. A qualidade individual se sobressaiu e beneficiou o coletivo, numa equipe com seus lampejos na cidade de Pereira.

Durante os primeiros minutos, o equilíbrio ainda prevaleceu na Colômbia. O Brasil arriscou as primeiras finalizações, mas o Uruguai poderia muito bem ter feito 1 a 0. Ignacio Ramírez invadiu a área com liberdade e mandou para fora, aos três minutos. A Celeste adotava uma postura mais retraída, fechando-se na defesa para explorar a velocidade no ataque, e dava trabalho com Diego Rossi. A Seleção, por sua vez, se mandava à frente e só tomou controle da situação com o primeiro gol, aos 14 minutos. Cruzamento na medida de Antony, que percebeu a infiltração de Pedrinho. Em ótimas condições, o camisa 10 não perdoou. A dupla demonstrou muita inteligência no lance.

O Brasil se soltou com o tento e buscava um placar mais amplo. Matheus Cunha, desfalque na estreia, procurava bastante o jogo na linha de frente e se movimentava. Seria ele o responsável pelo segundo gol. A Seleção já tinha visto um pênalti ser negligenciado quando o placar estava zerado e, aos 29, o árbitro marcou a falta na área sobre Matheus. O atacante do RB Leipzig cobrou o penal no meio do gol e balançou as redes. Os brasileiros permaneceram no comando até o intervalo. Diante da marcação mais rígida sobre Bruno Guimarães, Matheus Henrique se sobressaía na organização do time, enquanto Pedrinho e Antony sobravam na armação.

O segundo tempo finalmente veria o Uruguai sair ao ataque. Logo aos três minutos, Ivan realizou uma defesa impressionante no contrapé e Santiago Bueno perdeu o rebote sozinho na pequena área. Com os uruguaios mais adiantados em campo, também sobrava mais espaço para o Brasil avançar em velocidade. A partida ficou aberta, com boas chances aos dois lados. Todavia, com o passar dos minutos, a Seleção era bem mais perigosa e fez o terceiro aos 32.

A conexão no tento foi gremista: Matheus Henrique passou e Pepê, que saíra do banco, deu um belíssimo toque por cima do goleiro para marcar. A Celeste não desistiu e fez o gol de honra aos 34, numa saída errada de Ivan após cobrança de escanteio, para que Bueno cabeceasse. No final, com os oponentes batidos, os brasileiros desperdiçaram várias oportunidades de completar a goleada. As trocas de passes saíam com muita fluidez e renderam algumas jogadas plásticas. Faltou só finalizar melhor. Reinier, outro a sair do banco, foi o mais próximo de anotar o quarto. Recebeu na área e encheu o pé, mas carimbou o goleiro Ignacio de Arruabarrena.

A vitória encaminha a classificação do Brasil ao quadrangular final. A equipe lidera o Grupo B, com seis pontos, enquanto Paraguai e Uruguai têm três. A Canarinho ganha uma folga na próxima rodada. A equipe volta a campo apenas na quarta-feira que vem, quando encara a Bolívia, lanterna da chave.