A Vodafone Arena lotou, mas já se sabia que dificilmente o Besiktas teria motivos para comemorar. O apoio incessante da torcida era uma demonstração de amor ao clube, não necessariamente a esperança de uma vitória. E muito menos de uma classificação na Liga dos Campeões. Depois da goleada por 5 a 0 na visita a Munique, as Águias foram derrotadas novamente pelo Bayern. A campanha histórica dos turcos se encerrou com o triunfo dos bávaros por 3 a 1, definido logo no início do segundo tempo. Teste abaixo da exigência ao time de Jupp Heynckes, mas que garante os alemães outra vez entre os oito melhores da Champions.

A superioridade do Bayern se notava desde a escalação. Não bastasse a goleada na ida, o Besiktas não contou com várias de suas principais opções ao miolo de zaga. Não à toa, o técnico Senol Günes preferiu rotacionar o elenco, priorizando o Campeonato Turco. Jogadores importantes, como Anderson Talisca e Ryan Babel, começaram no banco. As responsabilidades se concentravam principalmente em Vágner Love, Ricardo Quaresma e Jeremain Lens, encabeçando a linha de frente. Heynckes, por sua vez, continuou levando a sério o encontro. Nada de poupar jogadores, mesmo o pendurado Robert Lewandowski. Dentro das mudanças habituais, era um time fortíssimo.

Diante da pressão de sua torcida, o Besiktas começou bem a partida, tentando se impor no campo de ataque. O problema é que o Bayern estava empenhado em resolver o duelo logo e, arriscando mais a gol, abriu o placar aos 17. Cruzamento perfeito de Thomas Müller pelo lado direito, observando a infiltração de Thiago Alcântara, que apareceu livre no miolo da zaga para completar. Na sequência da partida, o Besiktas voltou a se soltar, mas não demonstrava muita capacidade para quebrar as linhas de marcação, limitado a chutes de longe. O único susto verdadeiro sofrido pelos alemães aconteceu por outras razões. Mais uma vez, Thiago Alcântara se lesionou e precisou ser substituído antes do intervalo por James Rodríguez.

Na volta para o segundo tempo, logo no primeiro minuto, o Bayern ampliou. E contou com uma lambança da defesa adversária. Gökhan Gönul se enroscou após cruzamento de Rafinha e mandou contra o próprio patrimônio. Isso tornou a partida ainda mais morna, por mais que o Besiktas buscasse descontar. Aos 13 minutos, conseguiu. A partir de uma roubada de bola, Vágner Love invadiu a área e, mesmo na disputa com Arturo Vidal, conseguiu emendar às redes caído. As entradas de Talisca, Babel e Atiba Hutchinson davam novo vigor às Águias. O empate até parecia possível. Faltava, porém, mais precisão nas finalizações, sem que Sven Ulreich fosse muito ameaçado. E, ao final, houve tempo para o terceiro. Após cruzamento desviado de David Alaba, Sandro Wagner escorou com o peito.

Até pela maneira circunstancial como a derrota na ida aconteceu, após a expulsão de Domagoj Vida, o Besiktas não deve se abater pela eliminação na Champions. Ainda é um time capaz de grandes feitos, como se percebe no Campeonato Turco. Depois de um primeiro turno abaixo da crítica, os alvinegros pegaram embalo nas últimas rodadas e entraram de vez na briga pelo tricampeonato. Atualmente ocupam a segunda colocação, a três pontos do líder Galatasaray. Poderão se concentrar no torneio doméstico.

Já o Bayern espera os verdadeiros testes que possam mostrar o nível do trabalho de Jupp Heynckes. Em números, a melhora é inegável, assim como a equipe apresenta um estilo de jogo bem mais direto. Mas se a liderança absoluta na Bundesliga não vislumbra grandes desafios, com o hexacampeonato encaminhado, a real afirmação acontecerá na Champions. É ver o que o sorteio guardará para os bávaros nas quartas de final. Pela mudança de ares vivida nos últimos meses e pelas opções que permanecem no elenco, certamente será um dos oponentes mais temíveis nesta reta final de competição.

Ficha técnica

Besiktas 1×3 Bayern de Munique

Local: Vodafone Arena, em Istambul
Árbitro: Michael Oliver (ING)
Gols: Thiago, aos 17’/1T; Gökhan Gönul (contra), aos 1’/2T; Vágner Love, aos 13’/2T; Sandro Wagner, aos 37’/2T.
Cartões amarelos: Oguzhan Ozyakup e Atiba Hutchinson (Besiktas); Mats Hummels, Rafinha e Jérôme Boateng (Bayern)
Cartões vermelhos: Nenhum

Besiktas
Tolga Zengin, Gökhan Gönul, Necip Uysal, Gary Medel, Caner Erkin; Tolgay Arslan (Atiba Hutchinson, aos 15’/2T), Oguzhan Ozyakup; Ricardo Quaresma, Mustafa Pektemek, Jeremain Lens (Anderson Talisca, aos 15’/2T); Vágner Love (Ryan Babel, aos 30’/2T). Técnico: Senol Günes.

Bayern de Munique
Sven Ulreich, Rafinha, Mats Hummels (Niklas Süle, no intervalo), Jérôme Boateng, David Alaba; Javi Martínez, Thiago Alcântara (James Rodríguez, 35’/2T), Arturo Vidal; Thomas Müller, Robert Lewandowski (23’/2T), Franck Ribéry. Técnico: Jupp Heynckes.