A pausa de inverno da Bundesliga se encerrou nesta sexta-feira e o início do segundo turno deixou a impressão que, de fato, o Bayern de Munique aproveitou bem a intertemporada. Os bávaros tinham um compromisso um tanto quanto espinhoso. O Hoffenheim pode não estar tão bem nesta campanha, ocupando o sétimo lugar, mas havia vencido os dois últimos encontros com o Bayern na Rhein-Neckar Arena e possuía suas credenciais para desbancar os visitantes. Não desta vez. Impondo o seu jogo no primeiro tempo, o time de Niko Kovac martelou os anfitriões e abriu o caminho para a vitória, apesar da reação dos alviazuis na volta do intervalo. Triunfo por 3 a 1, que já serve de recado na perseguição ao Borussia Dortmund.

O Bayern entrou em campo sem alguns de seus medalhões, lesionados. O time titular utilizado por Kovac tinha uma trinca composta por Thomas Müller, Leon Goretzka e Kingsley Coman, apoiando Robert Lewandowski no ataque. E a formação leve ajudou na construção do placar logo cedo. Os bávaros bombardearam o gol do Hoffe durante a meia hora inicial, com dez finalizações. O goleiro Oliver Baumann e seus defensores iam se desdobrando para segurar a pressão, mas o tento se tornou inescapável aos 34. O arqueiro fez grande defesa em cabeçada livre de Lewandowski, mas Goretzka aproveitou o rebote. O chute do meia ainda desviou na marcação antes de morrer nas redes.

Na reta final do primeiro tempo, o Hoffenheim tentou sair um pouco mais e foi punido por isso. O Bayern encaixou um contra-ataque perfeito para ampliar a diferença, aos 45 minutos. Após cobrança de escanteio, os bávaros arrancaram. David Alaba avançou pela esquerda e cruzou no capricho, para Goretzka se esticar inteiro, anotando o segundo. Bela partida do alemão, que, atuando centralizado no trio de meias, se aproximava de Lewandowski e invadia a área constantemente. Não à toa, finalizou mais do que o próprio centroavante ao longo da noite

Na volta do intervalo, Julian Nagelsmann mudou a formação do Hoffenheim, partindo ao 4-3-3, e iniciou um tiroteio contra o Bayern. As chances iam surgindo de ambos os lados, num começo de segundo tempo intenso, no qual os goleiros trabalhavam. O time da casa voltou para o jogo de vez aos 13 minutos, também em um contragolpe de manual. Leonardo Bittencourt deu o passe por elevação para Nico Schulz e, da entrada da área, o jogador da seleção dominou e bateu cruzado, tirando do alcance de Manuel Neuer. Até parecia que os anfitriões estavam prontos para o empate. Mas a reação não teve tantos frutos.

O Hoffenheim foi mais ativo na meia hora final do duelo, com mais posse de bola e mais finalizações. Ádám Szalai até poderia ter empatado, não fosse uma defesaça de Neuer aos 38, espalmando uma cabeçada à queima-roupa. Só que o Bayern, além de conseguir se proteger, acabou sendo letal em uma das raras chegadas ao ataque. Aos 42, os visitantes mataram o jogo na Rhein-Neckar Arena. James Rodríguez, que saíra do banco no lugar de Thiago Alcântara, serviu uma bola primorosa a Thomas Müller na ponta direita. O alemão logo conectou no meio da área e encontrou Lewandowski pronto para decidir. Tranquilidade ao time, que tentará correr atrás dos pontos perdidos ao longo deste segundo turno.

Com o resultado desta sexta, o Bayern emenda seis vitórias consecutivas na Bundesliga. É o segundo colocado, agora a três pontos do Borussia Dortmund, que pode retomar sua vantagem na complicada visita ao RB Leipzig neste sábado. Além disso, os bávaros abrem seis pontos em relação ao Borussia Mönchengladbach, que pega o Bayer Leverkusen fora de casa. Em sétimo, o Hoffenheim corre o risco de cair até duas posições ao final da rodada. Com a chegada de Alphonso Davies, Niko Kovac ganha mais opções ao seu elenco. E os hexacampeões parecem prontos a se tornarem novamente uma sombra na luta pela Salva de Prata.