O Atlético Mineiro é um potencial candidato a buscar o título da Copa Sul-Americana. E os atleticanos superaram mais uma etapa do torneio nesta quarta-feira, com a segunda vitória sobre o Botafogo no duelo pelas oitavas de final. O Galo já havia sobrado no encontro dentro do Estádio Nilton Santos e voltou a triunfar no Independência. Não foi um jogo tão simples aos mineiros, mas a situação ficou favorável durante o segundo tempo e o placar de 2 a 0 ampliou a diferença no agregado. Na próxima etapa, a equipe de Rodrigo Santana irá enfrentar os colombianos do La Equidad.

Precisando do resultado, o Botafogo partiu para cima durante o primeiro tempo. Foi superior dentro do Horto e criou as melhores chances de balançar as redes. O problema foi transformar isso em gols. Os cariocas não demonstraram grande qualidade nas definições, ainda que o goleiro Cleiton tenha acumulado boas defesas. Limitado aos contragolpes de início, o Atlético só melhorou nos 15 minutos finais. Já aos 42, na chance mais clara, o botafoguense Marcinho carimbou o travessão em cobrança de falta fechada.

O intervalo foi importante para que o Atlético acordasse de vez. E o time voltou com outra postura rumo ao segundo tempo, bem mais agressivo. Depois de alguns minutos mais equilibrados, os anfitriões cresceram com o passar do tempo. Ameaçando mais, o Galo chegou aos gols a partir dos 28 minutos. Destaque da equipe, Jair sofreu pênalti, que Fábio Santos cobrou com força para inaugurar o placar. Neste momento, uma virada do Botafogo parecia improvável. E a pá de cal sobre os cariocas aconteceu aos 40, após algumas boas defesas de Gatito. Vinícius acertou um chute preciso, sem chances para o goleiro. Melhor ao longo dos 180 minutos, os atleticanos mantêm a ambição viva.

O resultado encerra um longo jejum do Galo contra o Botafogo. Neste século, os cariocas haviam passado de fase em todos os seis confrontos diante dos mineiros por mata-matas – quatro pela Copa do Brasil e outros dois pela própria Sul-Americana. Enfim, o Atlético segue em frente. E, até pelo cenário acessível, a final continental começa a se tornar palpável. Se passar pelo La Equidad, o time pegará Zulia ou Colón nas semifinais. Dá para acreditar. A equipe de Rodrigo Santana dá sinais positivos e tem um elenco tarimbado. Se a Libertadores terminou como decepção, os alvinegros se reerguem. As duas vitórias sobre os botafoguenses foram importantes.