O Arsenal é um dos grandes candidatos ao título da Liga Europa nesta temporada, assim como o Napoli. O confronto de favoritos logo nas quartas de final dá um peso enorme à competição. E, apesar das expectativas de um duelo equilibrado, a verdade é que só um time mandou no jogo desta quinta-feira, no Estádio Emirates. Graças a um excelente primeiro tempo, os Gunners construíram o triunfo por 2 a 0 e saem com uma vantagem considerável para o reencontro na próxima semana, no Estádio San Paolo. Por mais que os napolitanos tenham reagido no segundo tempo e até criado meios para descontar, a impressão é que a diferença no marcador fica barata, seja pelas chances desperdiçadas pelos londrinos ou pelas boas defesas do goleiro Alex Meret. De qualquer maneira, foi uma atuação de quem deseja a taça.

O Arsenal teve uma postura exemplar desde os primeiros minutos de jogo, atuando de maneira intensa e buscando o ataque. Deixava clara a importância da Liga Europa ao clube, tentando abrir o caminho à vitória o quanto antes. E a atitude dos Gunners rendeu frutos logo aos 14 minutos, com o primeiro gol. Uma pintura, aliás, muito bem construída pela equipe de Unai Emery. A troca de passes envolveu a defesa italiana, até que Ainsley Maitland-Niles rolasse para Aaron Ramsey mandar para as redes. Dez minutos depois, os londrinos já ampliaram. O lance dependeu do esforço individual de Lucas Torreira. O uruguaio roubou a bola no campo de ataque, arrancou e deu um corte seco em Fabián Ruiz. Então, também contou com a sorte, graças ao desvio em Kalidou Koulibaly que levou seu chute às redes.

O resultado parcial injetava confiança no Arsenal e o time continuou buscando o ataque, ameaçando principalmente nos minutos anteriores ao intervalo. Alexandre Lacazette desperdiçou boa chance, enquanto Pierre-Emerick Aubameyang parou em Alex Meret. Os Gunners dificultavam a saída de bola do Napoli e causavam problemas principalmente por conta da velocidade de suas investidas, já que os visitantes passavam a dominar a posse de bola. Era um jogo bem mais fácil aos anfitriões do que poderia se prever. Enquanto isso, raros eram os ataques dos celestes. Quando Lorenzo Insigne poderia descontar aos 44, pegou mal na bola e fez sua torcida lamentar.

No início da segunda etapa, o Napoli apresentou outra postura. Voltou buscando mais o jogo e sendo objetivo no setor ofensivo. Insigne chegou a balançar as redes, mas o impedimento foi tranquilamente assinalado pela arbitragem. Petr Cech também começava a trabalhar. Só que o bom momento não durou tanto, com o Arsenal também respondendo. Meret realizou uma defesa monumental aos 13 minutos, em novo duelo contra Ramsey, e depois também negaria o tento de Maitland-Niles. A pressão foi retomada pelos londrinos, primando pela boa movimentação de sua linha de frente e pelas subidas constantes de Ramsey.

O Napoli ainda jogaria fora um gol com Piotr Zielinski, aos 26. Insigne deu o passe açucarado e, de frente para Cech, o polonês bateu por cima da meta. De qualquer maneira, a impressão era de que o terceiro tento do Arsenal estava mais maduro. Os londrinos estavam mais acesos e centrados na partida, apesar das chances claríssimas que acabaram desperdiçando. Ramsey estava de frente para o crime e isolou. Já no final, seria a vez de Aubameyang acertar o lado de fora da rede em bom contragolpe. Poderiam ter matado o confronto, mesmo que a vantagem final seja excelente.

Ao longo desta Liga Europa, o Arsenal tem oscilado. E talvez esta seja a principal esperança ao Napoli. O time de Unai Emery não jogou bem fora de casa nestes mata-matas, contra Bate Borisov e Rennes, mas ao menos conseguiu buscar a classificação na volta como mandante. Esta será a vez em que os Gunners poderão administrar o resultado, mesmo encarando um adversário de grande potencial ofensivo. Apesar da costumeira força dos napolitanos no San Paolo, os londrinos indicaram ter mais time neste primeiro duelo.