A fase recente garantia o favoritismo ao Milan nesta quinta, no primeiro jogo das oitavas de final da Liga Europa. E, no caminho inverso, colocava muitas dúvidas sobre o Arsenal na visita ao San Siro. A noite, entretanto, terminou com um resultado contundente – e um tanto quanto surpreendente. Os Gunners resolveram elevar seu moral no momento certo. Não se intimidaram com as arquibancadas abarrotadas e foram senhores de um ótimo primeiro tempo. Voltam a Londres com uma excelente vantagem por 2 a 0, que garante um pouco mais de créditos ao time de Arsène Wenger naquele que se tornou o grande objetivo da temporada.

O Milan até esboçou uma pressão nos primeiros minutos, mas não demorou para o Arsenal tomar conta da partida. A defesa rossonera estava longe de exibir a solidez das últimas semanas. Assim, depois de um chute perigoso, Henrikh Mkhitaryan abriu o placar aos 15 minutos. Após uma roubada de bola, foi lançado por Mesut Özil, tentou limpar a marcação e deu um bocado de sorte, em chute desviado em Leonardo Bonucci que enganou Gianluigi Donnarumma. Logo depois, os milanistas buscaram responder. Porém, tinham muitos problemas na saída de bola e, quando conseguiam se colocar no campo de ataque, a criatividade era bem escassa. Se davam susto, era mais pelas saídas atabalhoadas de David Ospina.

Pouco antes do intervalo, o Arsenal voltou a crescer. Danny Welbeck foi o escolhido para comandar a linha ofensiva dos Gunners desde os primeiros minutos. E dava trabalho à defesa adversária. Pouco a pouco, os visitantes começaram a testar Donnarumma, que fez duas grandes defesas, em chutes de Callum Chambers e do próprio Welbeck. O gol parecia amadurecer. Mkhitaryan deu um aviso, carimbando o travessão dos italianos. Já nos acréscimos, veio o golpe duro à torcida da casa. Özil deu uma enfiada de bola cinematográfica. Deixou Aaron Ramsey de frente para o gol, livre de marcação. O galês driblou o goleiro e ampliou a contagem.

Para o segundo tempo, o Milan teve pressa. Dominou um pouco mais a posse de bola e colocou o Arsenal em seu campo de defesa. Mas o fato é que os Gunners sabiam administrar a vantagem, sem passar muitos apuros, e ainda deram um susto com Welbeck, em presente de Franck Kessié que Donnarumma salvou. Os ingleses não davam muitos espaços na defesa, limitando os rossoneri aos chutes de longe e aos chuveirinhos. Houve apenas uma finalização certa dos italianos, em arremate de Giacomo Bonaventura que Ospina defendeu com tranquilidade. Nem mesmo as alterações de Gennaro Gattuso geraram efeito, colocando o time para frente principalmente com as entradas de Nikola Kalinic e Fabio Borini nos lugares de Hakan Çalhanoglu e David Calabria. Os anfitriões foram inofensivos. Decepção que resultou em arquibancadas se esvaziando muito antes do apito final.

O Milan parece ter se esquecido das bases apresentadas durante a arrancada no Campeonato Italiano e das boas apresentações na Copa da Itália. Não acertou sua marcação diante da verticalidade do Arsenal e não teve ataque. A bronca de Gattuso deve ser sonora, diante daquilo que não se viu no San Siro. Ao menos, a diferença no placar não é impossível de se reverter. Por mais que o Arsenal tenha um elenco mais qualificado, suas últimas atuações não permitem a certeza da classificação – embora, sim, ela já esteja nas mãos. Independentemente disso, a sequência invicta dos rossoneri terminou e a Serie A se torna ainda mais a prioridade nas próximas semanas.

Já olhando para a perspectiva dos Gunners, há muito a se festejar. Foi um passo importante na competição, contra um dos adversários mais fortes; a sequência de quatro derrotas acabou; e aconteceu uma rara vitória fora de casa contra um oponente de peso, o que não se viu nesta temporada. A eficiência e a segurança foram fatores fundamentais, assim como a participação decisiva de Mkhitaryan e Özil pelos lados do campo. Enfim, um motivo para os torcedores no norte de Londres sorrirem. Esperam que a festa esteja completa no reencontro da próxima semana, no Emirates, ainda que isso não deva servir de maquiagem às muitas carências expostas recentemente.


Os comentários estão desativados.