O Alianza Lima não sabe o que é vencer um jogo de Libertadores desde 2012. A partir de então, são 14 derrotas e três empates, distribuídos em quatro edições do torneio continental. Nesta terça, os Potrillos tinham uma pressão imensa para quebrar esse jejum. Se quisessem avançar à Copa Sul-Americana, precisariam golear o Palestino por cinco gols de diferença. E, pra variar, a torcida em Lima teve que lidar com o revés. Os chilenos venceram a partida por 2 a 1, de virada. Mas, antes da decepção, os aliancistas se empolgaram com um gol de bizarrice ímpar.

O lance aconteceu aos 18 minutos do primeiro tempo. O argentino Tomás Costa, do Alianza, arriscou o chute de longe e o goleiro José Ignacio González tentou afastar a bomba com um soco. Só tentou. A pelota ganhou muita altura (muita mesmo) e, como num saque “Jornada nas Estrelas”, caiu verticalmente dos ares. O arqueiro se embananou com o projétil vertiginoso e não conseguiu evitar o quique contra as próprias redes. Por fim, o objeto voador não-identificado deu um beijo cruel no travessão, antes de entrar. Lance patético, que garantiu o grito de gol nas arquibancadas aliancistas.

Depois disso, Renato Tarifeño ajudou González. O atacante anotou os dois gols do Palestino (o segundo, com um lindo corte sobre o marcador, antes de bater no contrapé do goleiro) e permitiu a vitória por 2 a 1. Com a terceira colocação, os chilenos vão para a Copa Sul-Americana. Já o Alianza Lima amplia sua série amarga na Libertadores, e sem poder reclamar da sorte nesta noite.