Os alejibres compõem um tipo de artesanato muito característico na cultura mexicana. São figuras geralmente criadas a partir do papel ou da madeira, que representam animais com ares mitológicos. Segundo o folclore, estes seres lendários protegem os sonhos e conduzem as pessoas ao mundo dos mortos – como no desenho animado “Viva, a vida é uma festa”. Eles misturam características de diferentes animais e possuem cores intensas, extravagantes. A tradição, surgida a partir de um sonho do artista Pedro Liñares López em 1936, se popularizou em diferentes partes do país. E foi no estado de Oaxaca em que ela mais se arraigou, juntando-se com a arte em madeira tão tradicional no estado, de forte presença das populações indígenas.

Se a maioria dos clubes mexicanos carrega referência a animais em seus nomes oficiais, o principal time de Oaxaca foi batizado justamente como Alebrijes de Oaxaca. Surgida em 2012, a equipe disputa a segunda divisão do Campeonato Mexicano e costuma fazer campanhas medianas na divisão de acesso. Nesta temporada, porém, chamam atenção os novos uniformes da agremiação. A referência é óbvia: os designs se inspiram nas pinturas dos alebrijes.

Além das próprias cores tradicionais dos seres mitológicos, as camisas também trazem formas e padrões que remetem à arte indígena e a monumentos existentes na região durante o período pré-hispânico. O exagero é flagrante. Ainda assim, acaba sendo bacana a própria forma como valorizam a cultura local. As imagens são do site Todo Sobre Camisetas. Enquanto a camisa titular faz referência ao verde que batizou Oaxaca em seus primórdios, a reserva relembra as ruínas zapotecas de Mitla e a terceira traz as cores mais vivas dos alebrijes: