O ano seria de festa. O Celtic completa meio século de sua maior conquista, a Copa dos Campeões de 1967. O título marcante é cantado e aplaudido pelos torcedores alviverdes em cada um de seus jogos, sempre no 67° minuto. No entanto, as celebrações perderam um pouco de força nos últimos dias. Primeiro, diante da notícia de que o capitão Billy McNeill vem sofrendo com demência. Já nesta quinta, pelo adeus de um dos ‘Leões de Lisboa’ – como ficou conhecido aquele grupo de campeões. O lateral Tommy Gemmell foi instrumental na façanha sobre a Internazionale, no Estádio da Luz. Faleceu aos 73 anos, após lidar com uma “longa doença”, não especificada pelos familiares.

Tommy Gemmell estaria na história do Celtic de qualquer maneira. Disputou 418 partidas em 10 anos de clube, de 1961 a 1971, e anotou 63 gols. O lateral esquerdo era um dos homens de confiança do técnico Jock Stein, conquistando seis títulos do Campeonato Escocês, três da Copa da Escócia e quatro da Copa da Liga. Além, é claro, daquela Champions, a primeira de um clube britânico.

O defensor recolocou os Leões de Lisboa na partida. A Internazionale abrira o placar aos sete minutos de jogo, em pênalti convertido por Sandro Mazzola. Gemmell foi o responsável pelo empate. Aos 18 do segundo tempo, acertou um chutaço da entrada da área, para vencer o goleiro Giuliano Sarti – que já tinha feito grande defesa para barrar uma cobrança de falta sua. Já a virada, que sacramentou o título do Celtic, aconteceu aos 39. Mais uma vez, com a participação do lateral: a partir de uma subida pela esquerda, ele passou para Bobby Murdoch. O meio-campista chutou e a bola acabou desviada por Stevie Chalmers, para as redes. Os 11 titulares alviverdes naquela decisão nasceram num raio de 50 km do Celtic Park.

Ao longo da carreira, Gemmell se consagrou pela capacidade no apoio ao ataque. Era um lateral “moderno”, que conseguia apoiar e defender com bastante vigor. Além disso, se destacava pela qualidade nos chutes, cobrador de pênaltis oficial durante parte de sua passagem pelo clube. Também anotou o único gol do Celtic na final da Champions de 1970, quando os Bhoys viveram papeis inversos e tomaram a virada do Feyenoord por 2 a 1. O defensor disputou 18 partidas pela seleção escocesa, incluindo a famosa vitória por 3 a 2 sobre a Inglaterra em 1967. Ao deixar Glasgow, passou por Nottingham Forest, Miami Toros e Dundee.

“A família inteira do Celtic está de luto pelo falecimento de Gemmell e todos associados ao clube enviam seus pensamentos e orações aos familiares, aos outros Leões e aos muitos amigos neste momento desesperadamente triste”, escreveu o Celtic, em nota oficial. Ao longo do dia, homenagens foram feitas pelos torcedores nos arredores do Celtic Park, sobretudo nas estátuas do amigo Jimmy Johnstone e do técnico Jock Stein.