A fome de títulos do Al Ahly na Liga dos Campeões da África é insaciável. Os Diabos Vermelhos venceram oito das 11 finais do torneio que disputaram. E, nesta sexta, se encaminharam ao nono título. Os egípcios receberam o Espérance, diante do abarrotado Estádio Borg El Arab, em Alexandria. Uma multidão tomou as ruas no caminho do Cairo até à cidade e reproduziu uma belíssima festa nas arquibancadas. Pois o time correspondeu o apoio dentro de campo, largando em ótima vantagem ao bater os tunisianos por 3 a 1. O jogo de volta acontecerá na próxima sexta, no Estádio Olímpico de Radès.

O VAR determinou o ritmo do duelo em Alexandria, com três pênaltis marcados. Walid Soliman abriu o placar ao Al Ahly na marca da cal, aos 34 minutos. No início do segundo tempo, Amr Elsolia ampliou aos egípcios, aproveitando o cruzamento de Soliman. Já na meia hora final da partida, mais duas penalidades. Mohamed Belaïle descontou ao Espérance, enquanto Soliman fechou a conta aos Diabos Vermelhos – na marcação mais discutível das três infrações, em troca de agressões mútua. No final, o artilheiro quase completou sua tripleta, carimbando a trave. Grande resultado aos anfitriões para suportar a pressão na Tunísia.

A experiência do Al Ahly certamente é um diferencial nesta decisão, com vários jogadores presentes na Copa do Mundo e outros tarimbados em conquistas continentais anteriores do clube. A grande motivação, de qualquer forma, vem do lado de fora. O apoio incondicional da torcida egípcia impõe respeito. Pode garantir à maior torcida da África a taça que mais venera, além da presença no Mundial de Clubes pela sexta vez. A empolgação é inegável.