Num sábado de surpresas pelo Brasil, o Caxias reforçou os seus méritos neste início de 2020

O sábado de carnaval teve uma fantasia favorita no futebol brasileiro: a de zebra. O número de clubes com orçamentos mais modestos que resolveram aprontar contra os chamados “grandes” foi considerável. Água Santa e Ituano ampliaram críticas contra Corinthians e Santos no Paulistão, o Murici fez estrago ante o CSA em Alagoas, o Confiança não se intimidou com o Fortaleza no Nordestão, o Boavista deu trabalho ao Flamengo na final da Taça Guanabara. Ainda assim, o grande resultado do futebol brasileiro esteve nas mãos do Caxias. E nem dá para dizer que a decisão do primeiro turno do Gauchão guardou uma surpresa completa: pela segunda vez na campanha, os grenás desbancaram o Grêmio. Mas, desta vez, o triunfo valeu também uma vaga na final do estadual. Reforça o bom trabalho realizado no Centenário.

O Grêmio utilizou vários de seus destaques e de seus novos contratados no embate deste sábado, em Caxias do Sul. Everton Cebolinha estava em campo, assim como Diego Souza, enquanto Thiago Neves saiu do banco durante o segundo tempo. Nenhum deles impediu o carnaval grená. Aliás, um dos grandes responsáveis pela festa do Caxias seria outro veterano: o goleiro Marcelo Pitol. Durante o primeiro tempo, no mano a mano com Diego Souza, o camisa 1 realizou uma defesa salvadora com os pés. Já na segunda etapa, o prenúncio do crime cometido pelos anfitriões não demorou a vir.

O Caxias passou a mandar no jogo durante os 45 minutos finais. Pressionou o Grêmio e só não abriu o placar antes porque Vanderlei acumulava ótimas defesas. Porém, aos 33 minutos, não teve quem resolvesse a vida tricolor. Durante um bate e rebate na área, impressionou como Diogo Oliveira teve espaço. Quase na marca do pênalti, cercado por três, o camisa 10 grená teve tempo de dominar no peito e fuzilar. Mandou às redes e decretou a vitória por 1 a 0. O título do primeiro turno do Gauchão, com todos os méritos, é do Caxias.

O Caxias já tinha feito a melhor campanha em seu grupo durante a fase de classificação, ao derrotar o próprio Grêmio por 2 a 0 e ficar à frente dos favoritos. Superou também outros clubes com bom retrospecto recente nas divisões nacionais, como o Brasil de Pelotas e o Ypiranga de Erechim. E não é que o momento dos caxienses se reflita apenas no estadual. Antes disso, os grenás quase derrubaram o Botafogo na Copa do Brasil. Só caíram por causa da contestável regra que beneficia o visitante com o empate e por causa da arbitragem favorável aos cariocas. Ainda assim, uma vitória seria plenamente compreensível (e merecida) no Centenário.

“Estou junto de um grupo maravilhoso. É uma equipe unida, sem vaidade. A equipe está de parabéns. Comemora torcedor grená. A emoção [de fazer o gol do título] é muito grande. O torcedor merece. A gente trabalha no dia a dia por esses momentos. Ganhou a equipe que jogou melhor no primeiro turno. Vencemos o Grêmio lá e aqui”, exaltou Diogo Oliveira, depois do triunfo sobre o Grêmio neste sábado, em entrevista à Gaúcha ZH.

Já o técnico Rafael Lacerda, que era zagueiro do Caxias vice-campeão estadual em 2012, ressaltou o esforço de seus jogadores para superar um adversário de peso: “Respeitamos muito o Grêmio. Hoje, batemos um gigante do futebol brasileiro. O Grêmio e Flamengo são os melhores times do Brasil. Eu também queria que meu time jogasse no campo do adversário. Não posso esquecer que do outro lado tinha jogador de seleção brasileira. Mais uma vez, a estratégia contra o Grêmio deu certo”.

O Grêmio tem sua parcela de culpa na derrota, entre as escolhas erradas de Renato e a falta de efetividade no ataque. O treinador ainda reclamou da arbitragem. Mas tudo isso não parece suficiente para diminuir os méritos do Caxias ao resultado. Com organização e controle do ritmo da partida, a equipe da casa também foi bem mais incisiva na hora de resolver a decisão. O placar fala por si. Será a terceira final dos grenás na história do Gauchão. E, assim como aconteceu em 2000, a torcida espera um carnaval sem hora para terminar no Centenário.