Belém viveu mais um clássico vibrante neste domingo: o Re-Pa de número 752. O Mangueirão encheu suas arquibancadas e mais de 30 mil torcedores viram o Papão ampliar sua hegemonia recente contra os maiores rivais. A equipe de Hélio dos Anjos venceu os remistas por 2 a 1, acumulando sete clássicos de invencibilidade. O Paysandu não sabe o que é derrota no confronto desde abril de 2018 (quando perdeu a final do Parazão, é verdade) e, de quebra, ainda encerrou os 100% de aproveitamento que o Remo sustentava neste início de temporada.

Seria um final de semana de provocações, como em todo bom clássico. O Remo suprimiu o escudo do Paysandu em sua divulgação sobre o jogo nas redes sociais, exibindo apenas o contorno, e isso subiu o tom das cornetas para o duelo no Mangueirão. Além do mais, dentro do estádio, um copo vendido pelos remistas também não trazia o símbolo dos alvicelestes. Era uma pimenta no confronto de arquibancadas coloridas e muita energia.

Dentro de campo, o Paysandu deu sua resposta. Num primeiro tempo equilibrado e pegado, o Papão abriu o placar aos 31 minutos, com o artilheiro Nicolas aproveitando a sobra de um escanteio. No entanto, o Remo buscou o empate antes do intervalo, quando Jackson puniu um erro da zaga adversária. O triunfo se confirmou apenas na segunda etapa, quando um pênalti anotado pelo árbitro permitiu que Uilliam balançasse as redes aos alvicelestes. Por mais que o Leão tenha esboçado uma reação no fim, no máximo carimbou a trave.

O resultado deixou o Campeonato Paraense igualado: os quatro primeiros colocados somam nove pontos. Além de Remo e Paysandu, também se juntam ao páreo Paragominas e Castanhal. E se o Paysandu já cumpriu sua parte na primeira fase da Copa do Brasil, ao eliminar o Brasiliense com um empate fora de casa, o Remo estreará nesta semana. Não terá vida tão fácil, ao visitar o Freipaulistano no Sergipe.