O Manchester United se revigora em 2020, com uma sequência invicta que vem desde janeiro. O time de Ole Gunnar Solskjaer apresenta um repertório bem maior e consegue resolver as partidas, o que culmina na boa fase. E a paralisação da Premier League parece ter contribuído ainda mais, com ótimas atuações nesta retomada da campanha. Desta vez, os Red Devils atropelaram o Bournemouth em Old Trafford, embora os visitantes tenham dado trabalho. A virada foi comandada outra vez pelo maestro Bruno Fernandes. Mason Greenwood e Anthony Martial, ainda assim, merecem totais créditos pelos golaços anotados na inspirada exibição ofensiva. A classificação à Champions, cada vez mais, é um objetivo concreto ao clube.

O Bournemouth chegou a assustar o Manchester United em Old Trafford. Começou marcando firme os anfitriões e teria sua chance de abrir o placar aos 16 minutos, graças a um golaço de Junior Stanislas. O ponta recebeu na linha de fundo, mas criou espaço com uma caneta sensacional em Harry Maguire. Mesmo sem ângulo, também chutou entre David De Gea e a trave, para completar sua obra de arte.

Apesar do nível de confiança elevado no Bournemouth, o Manchester United não se abateu com o gol. O ataque seguia buscando seus espaços e arrancaria o empate aos 29, numa bela jogada coletiva. Marcus Rashford puxou pela direita e passou a Bruno Fernandes, que conectou com Mason Greenwood livre do outro lado. O garoto dominou e soltou a bomba. E a virada se consumou logo depois, aos 35, graças a um pênalti por toque de mão. Rashford assumiu a cobrança e colocou os Red Devils em vantagem. Por fim, antes do intervalo, a precisão do United renderia uma pintura aos 47. Anthony Martial recebeu na esquerda, abriu espaço cortando para o meio e soltou um chutaço no ângulo.

Por sua situação na tabela, o Bournemouth não poderia se entregar. Assim, o segundo tempo seguiu movimentado em seu início. No primeiro ataque, o time de Eddie Howe quase marcou, com Lewis Cook forçando uma grande defesa de De Gea e Arnaut Danjuma carimbando a trave no rebote. Logo depois, os visitantes descontaram. Eric Bailly dominou uma bola com o braço dentro da área. Pênalti, para Joshua King estufar o barbante. E ainda quase rolou o empate na sequência, em lance no qual Danjuma mandou para dentro, mas estava impedido. Era o sinal para que os Red Devils matassem o jogo logo.

Para tanto, Bruno Fernandes assumiu a responsabilidade, com a ajuda estelar de Greenwood. O garoto voltou a alargar a distância no marcador aos nove minutos, com outro golaço. Fernandes ganhou uma disputa no meio e passou a Greenwood, que encarou a marcação até visualizar uma brecha. Mandou uma bomba de direita, indefensável. Já a certeza da vitória viria aos 14 minutos, numa falta frontal cobrada por Bruno Fernandes. Mandou no canto oposto e o goleiro Aaron Ramsdale não alcançou. Depois disso, o Bournemouth não se encontrou mais, com as várias substituições. E quem saiu do banco no United queria mais. Ramsdale evitou um estrago maior com boas defesas e Rashford ainda teve um tento anulado por centímetros de impedimento.

Este foi o primeiro jogo desde 2011 em que o Manchester United anotou cinco gols em Old Trafford pela Premier League – um sinal dos tempos e também do bom momento. O time emenda três vitórias consecutivas na liga, com 16 partidas de invencibilidade, e entra provisoriamente no G-4, somando 55 pontos. Ainda aguarda o desdobramento da rodada, especialmente o jogo do Chelsea, que pode retomar sua posição. Já o Bournemouth segue em crise. São cinco derrotas consecutivas ao penúltimo colocado, a um ponto de escapar do Z-3.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore