Num clássico pegado e com participação decisiva dos astros, Argentina e Uruguai empataram em 2 a 2

Tel-Aviv teve a honra de receber o clássico entre Argentina e Uruguai nesta segunda-feira de Data Fifa. E o amistoso entre os históricos rivais contou com uma partida pegada, com um bom número de gols e a participação decisiva das estrelas em campo. Num duelo equilibrado, a Celeste ficou em vantagem duas vezes, mas a Albiceleste buscou a igualdade por 2 a 2. Valeu como um bom aperitivo, antes que o futebol de seleções retome um ritmo intenso na América do Sul em 2020, com o início das Eliminatórias da Copa.

Tanto Óscar Tabárez quanto Lionel Scaloni escalaram times com seus principais astros, mas alterações pontuais. A Argentina começou a partida mais acesa e Lionel Messi chamava o jogo para si, gastando nos dribles. No entanto, o Uruguai também criava perigo com certa frequência e abriu o placar aos 33 minutos. Após o cruzamento rasteiro de Luis Suárez, Edinson Cavani completou de carrinho para superar o goleiro Esteban Andrada. Era um jogo também quente, com um número significativo de faltas, a ponto de até Messi e Cavani se estranharem.

A Argentina tentou buscar o gol antes do intervalo, mas o árbitro anulou um tento de Paulo Dybala por toque de mão. Messi pararia em Martín Campaña no início da segunda etapa, até participar do empate aos 17. O craque cobrou uma falta fechada, para Sergio Agüero desviar. No entanto, quando a virada parecia possível à Albiceleste, o Uruguai voltou a ficar na frente. Aos 23, Suárez teve a oportunidade em cobrança de falta frontal e guardou.

O placar não era muito condizente com a postura da Argentina. E os albicelestes seguiram apertando, até arrancar o empate. Campaña chegou a operar um milagre numa cabeçada à queima-roupa de Agüero. Todavia, pouco depois, um toque de mão de Martín Cáceres concedeu o pênalti aos argentinos. Messi deslocou o goleiro e decretou o placar final nos acréscimos. Pelo número de tentos e pela quantidade de lances ofensivos, valeu a noite.

O Uruguai termina o ano com um saldo positivo. A equipe acumula uma série invicta há 13 partidas. E se a Celeste está distante de encher os olhos, ao menos renova o seu elenco, com boas adições principalmente no meio-campo. Já a Argentina levanta a cabeça após a campanha claudicante na Copa América. A série recente de amistosos guardou boas apresentações e sinais de evolução no trabalho de Scaloni. Mesmo em empates contra Alemanha e Uruguai, os albicelestes se saíram bem.