Num clássico melhor do que se esperava, o Real Madrid se impôs no final e saiu com a vitória do Camp Nou

Barcelona e Real Madrid se enfrentaram num clássico de enormes desconfianças, em que nenhum dos times transmite muita segurança sobre o seu futuro. Os blaugranas passam por uma reformulação mais sensível no momento, embora a última semana merengue fosse pior, com duas derrotas humilhantes consecutivas. Entretanto, o confronto direto serviu para que a equipe de Zinedine Zidane desequilibrasse a balança ao seu lado outra vez, mesmo dentro do Camp Nou – onde o treinador permanece invicto. Depois de um início de partida tão aberto quanto frenético, os merengues foram superiores no segundo tempo (ajudados por um pênalti discutível) e conquistaram a vitória por 3 a 1.

A grande notícia ao Real Madrid era o retorno de Sergio Ramos ao miolo de zaga. Zidane escalava o time com Casemiro, Toni Kroos e Federico Valverde no meio, além de Marco Asensio, Karim Benzema e Vinícius Júnior no trio de frente. O Barcelona, por sua vez, entrou num modificado 4-4-2 para surpreender os rivais. Ronald Koeman contava com Philippe Coutinho e Pedri na criação (este, escolhido no lugar de Antoine Griezmann), bem como Lionel Messi e Ansu Fati mais livres à frente.

O clássico se iniciaria em altíssima rotação no Camp Nou. A trocação era franca, mas o Real Madrid deu um passo à frente com o primeiro gol aos cinco minutos. Em contragolpe aberto, Benzema conduziu os merengues pela intermediária e esperou a passagem de Valverde, dando um passe perfeito. Dentro da área, o uruguaio encheu o pé. Vinícius Júnior ainda não aproveitaria um bom avanço ao segundo na sequência Ao menos, o Barça não demorou a empatar. O tento começa com um lindo lançamento de Messi. Jordi Alba passou na esquerda e cruzou para Ansu Fati arrematar, aos oito.

O Barcelona cresceu com o gol e passou a tomar um pouco mais de iniciativa no ataque. Ainda assim, o destaque na partida recairia aos goleiros. Depois de um corte seco em Sergio Ramos, Messi só não virou porque Thibaut Courtois operou uma defesa monumental, se esticando todo para espalmar o tiro à queima-roupa do camisa 10. Neto não deixaria por menos do outro lado, também com seu milagre, quando Benzema fuzilou dentro da área. E quando Messi engatilhava para responder, Casemiro chegou em cima para o desarme. Houve discussão sobre um possível pênalti no lance, mas nada que o VAR tenha assinalado, avaliando que o volante visou primeiro a bola.

Os 15 minutos finais do primeiro tempo cairiam de ritmo, com o Real Madrid agindo um pouco mais e o Barcelona baixando a sua velocidade. As defesas prevaleceriam neste momento. O Real ainda precisou realizar uma alteração aos 43, com a lesão de Nacho, que deu lugar a Lucas Vázquez na lateral direita.

O segundo tempo voltou com o Barcelona em ação, regido por Messi, recuando e organizando. Os blaugranas passaram a apertar o passo em busca do segundo gol e tiveram boas oportunidades para fazê-lo, especialmente com Ansu Fati chamando a responsabilidade. O garoto bateria para fora e, logo depois, Philippe Coutinho acertaria o lado externo da rede em cabeçada livre. Com os erros de ambos os lados, o Real Madrid não demorou para se recompor e retomar a vantagem. Aos 14, Clément Lenglet puxou a camisa de Sergio Ramos na área – apesar da queda exagerada do capitão merengue. Ainda que seja um tipo de jogada corriqueira, o VAR indicou a infração e o zagueiro converteu a cobrança.

O Barcelona demorou a reagir depois do gol. Não apresentava muito ímpeto e via a zaga do Real Madrid afastar as principais tentativas. Koeman também demorou a mudar. A maior ameaça veio num lance em que Courtois espalmou o cruzamento e Raphaël Varane quase fez pênalti. Os merengues, por outro lado, ganharam mais qualidade no meio com a entrada de Luka Modric. Quando mexeu, o Barça colocou de uma só vez Antoine Griezmann, Trincão e Ousmane Dembélé, ao mesmo tempo que o Madrid respondia com Rodrygo. E, mais expostos, os catalães sofreriam o terceiro.

Neto até adiou o tento do Real Madrid. O goleiro faria duas defesaças em sequência contra Toni Kroos, antes de também salvar com o pé um tiro à queima-roupa de Sergio Ramos. Entretanto, numa bola esticada de Modric para Vinícius, o goleiro soltaria a pelota na área. Rodrygo passou para o lado e Modric reapareceu para definir. O croata teria uma calma acima do comum para fintar o próprio Neto, antes de bater de trivela às redes. Triunfo sacramentado, sem chance de reação aos barcelonistas.

O Real Madrid ocupa provisoriamente a liderança do Campeonato Espanhol, com 13 pontos, mas pode ser ultrapassado por até três times na sequência da rodada. Já o Barcelona amarga a décima colocação, com sete pontos e três rodadas consecutivas sem vencer. A pressão aumenta, especialmente pelas dificuldades dos blaugranas nos clássicos desde a última temporada, com duas vitórias dos merengues e um empate.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore