Ao Barcelona, tão importante quanto emendar vitórias é ganhar confiança e ver seus jogadores subindo de produção neste momento da temporada. Os blaugranas teriam um compromisso difícil no Camp Nou. E enfrentaram um jogo realmente com suas complicações, que poderia ter outro destino se não fossem detalhes. Entretanto, com velhos protagonistas e o retorno de Lionel Messi às redes, a equipe de Ernesto Valverde alcançou um placar dilatado, com a goleada por 4 a 0 determinada por instantes vorazes dos culés. Destaque à pintura de bicicleta anotada por Luis Suárez, dias depois de seu golaço de voleio pela Champions.

Durante os primeiros 25 minutos do jogo, o Barcelona precisou lidar com as provações. O Sevilla era muito mais eficiente em seus avanços ao ataque e teve tudo para abrir o placar. Lucas Ocampos representava os maiores temores pelas pontas, servindo Luuk de Jong na área. Aos 11 minutos, o centroavante parou em defesa sensacional de Marc-André ter Stegen, que desviou o arremate à queima-roupa do adversário no mais puro reflexo. E o holandês também pagaria por seus desperdícios, com dois erros claríssimos na pequena área.

Longe de ameaçar tanto, o Barcelona não perdoou quando teve a chance. Ligou o turbo a partir do golaço de Suárez, aos 27. Nelson Semedo cruzou pela esquerda e o uruguaio virou a acrobacia, que entrou no canto da meta do Sevilla. A pintura mudou a partida e permitiu aos blaugranas ampliarem cinco minutos depois. Titular após a boa aparição contra a Internazionale, Arturo Vidal deixou sua marca ao se esticar para desviar a batida de Arthur e tirar o goleiro Tomás Vaclik da bola. Como se não bastasse o vareio, depois de uma cobrança de falta perigosa executada por Messi, o terceiro saiu aos 35. Novo golaço, agora de Ousmane Dembélé. O francês avançou pela esquerda, deixou o marcador no chão e arrematou seco.

Era o suficiente ao Barcelona, mas não ao Sevilla, que voltou para o segundo tempo com duas mudanças. Julen Lopetegui dava mais velocidade ao time, mas realmente não era o dia dos andaluzes. Depois de uma roubada de bola, De Jong reapareceu para descontar e carimbou o pé da trave de Stegen. Os goleiros fariam boas defesas e Messi quase anotou um gol absurdo, ao fazer fila na zaga, exigindo milagre de Vaclik. Com o ímpeto dos visitantes esfriado, o Barça voltou a aparecer com mais frequência no ataque e matou o jogo aos 33. Restava o de Messi. O camisa 10 cobrou falta com perfeição e Vaclik não chegou a tempo de realizar a defesa.

Diante de um adversário abatido, o Barcelona poderia ter anotado o quinto. Ivan Rakitic voltou a ganhar minutos a partir do banco e não superou Vaclik. Já nos instantes tinais, aconteceu uma confusão desnecessária – por culpa de Antonio Mateu Lahoz. O árbitro expulsou o garoto Ronald Araújo por uma falta sobre Chicharito Hernández na meia-lua, em lance contestável. Diante da reclamação dos jogadores blaugranas, Mateu Lahoz ouviu algo que não gostou de Dembélé e também mostrou o vermelho direto ao francês. Pela suspensão automática de três jogos, perderá o clássico contra o Real Madrid.

O Barcelona fecha a rodada na segunda colocação do Campeonato Espanhol. Com três vitórias consecutivas, os blaugranas possuem 16 pontos, dois a menos que o Real Madrid. Jogarão contra o Eibar na próxima rodada, antes do clássico do Camp Nou em 26 de outubro. O confronto com o Real Madrid poderá valer a liderança. Enquanto isso, passados os problemas de lesão, Messi inaugura sua contagem na temporada. Ver o craque saudável e jogando com intensidade é a melhor notícia aos catalães. Já o Sevilla, lamentando um resultado que poderia ser bem melhor, perde fôlego na tabela. Com uma vitória nas últimas quatro rodadas, os andaluzes ficam no quinto lugar, com 13 pontos.

Classificações Sofascore Resultados