Marcelo possui uma importância ao Real Madrid que extrapola suas funções como jogador. As virtudes do lateral esquerdo são inegáveis com a bola nos pés, e ele também evoluiu muito nos últimos anos sem ela. Entretanto, o brasileiro impulsiona os merengues além, por sua liderança. Pela motivação constante de quem não deixa de vibrar durante os jogos. Neste sábado, o camisa 12 ratificou seu protagonismo mais uma vez, dias após a enorme atuação contra o Bayern de Munique. Ele foi o salvador nos minutos finais do confronto com o Valencia, que mantém sua equipe brigando cabeça a cabeça pela taça de La Liga. Aos 40 do segundo tempo, buscou o triunfo por 2 a 1, para delírio dos presentes no Estádio Santiago Bernabéu.

VEJA TAMBÉM: Entre tantas grandes atuações, Marcelo possivelmente fez sua maior: foi enorme contra o Bayern

Zinedine Zidane escalou novamente os seus titulares, depois do show dos reservas contra o Deportivo de La Coruña na quarta-feira. A única novidade veio mesmo com a escolha de James Rodríguez para suprir a ausência do lesionado Gareth Bale. De qualquer maneira, o Real não demonstrou tanto ímpeto desta vez. O Valencia começou criando as melhores chances e, logo no primeiro minuto, Santi Mina carimbou a trave em chute sem ângulo. Os anfitriões demoraram a engrenar. Passaram a ameaçar um pouco mais a meta de Diego Alves depois dos 20 minutos. Aos 26, abriram o placar. Cruzamento perfeito de Dani Carvajal, para uma cabeçada de manual de Cristiano Ronaldo. O craque chegou a 20 tentos no Campeonato Espanhol.

Após um final de primeiro tempo morno, o Real Madrid teve a chance de matar o jogo na segunda etapa. Karim Benzema, apagado, apareceu para acertar a trave. Logo depois, Luka Modric sofreu pênalti para os merengues. Mas, na cobrança, como de praxe, Diego Alves se agigantou. Saltou para buscar o chute de Cristiano Ronaldo no canto. Pela terceira vez em quatro confrontos na marca da cal, o brasileiro parou o camisa 7. Além disso, o arqueiro do Valencia registrou o novo recorde de pênaltis defendidos em uma mesma temporada do Espanhol, seis no total.

Na sequência da partida, o Real Madrid seguia melhor, mas criava poucas oportunidades para ampliar a sua vantagem. Zidane mandou a campo Álvaro Morata e Marco Asensio, o que pouco adiantou. E, do outro lado, o Valencia arrancaria o empate aos 36, graças à bola parada. Uma cobrança magistral de Dani Parejo, mandando no ângulo de Keylor Navas, que tocou na bola sem conseguir salvar. Então, coube a Marcelo chamar a responsabilidade e decidir. Quatro minutos depois, após bola de Morata, o camisa 12 fez tudo sozinho. Encarou a marcação, fintou os dois adversários que tentavam fechar seu espaço e bateu rasteiro, de pé direito, superando Diego Alves. Um gol que vale demais aos merengues e aumenta a idolatria pelo brasileiro no Bernabéu.

Com mais quatro partidas pela frente, o Real Madrid chega aos 81 pontos. Ainda pode ser ultrapassado pelo Barcelona neste sábado, caso os blaugranas vençam o dérbi diante do Espanyol. De qualquer maneira, o que se esboçou como a perda de dois pontos se transformou em um triunfo enorme. Das batalhas que os merengues têm pela frente até o final da campanha, venceram uma das que mais poderiam complicar.