Ruud Gullit é sinônimo de uma figura inconfundível entre os anos 1980 e 1990. Mas não apenas pelos vastos dreads ou pelo bigode, que manteve em boa parte da carreira. Também não dava para se enganar com o talento do meio-campista holandês. Alto e forte, tinha porte físico de centroavante matador. E até se valia dessa capacidade, com as passadas largas e a boa impulsão. No entanto, o mais característico de Gullit era o seu talento. De quem sabia guiar a bola como poucos, seja presa nos pés ou em lançamentos teleguiados. Um dos maiores craques de sua época e também da história.

VEJA TAMBÉM: Gullit e o apoio que Nelson Mandela nunca esqueceu

 

Somando gols e assistências, Gullit fez sucesso em todos os clubes que defendeu. Acima disso, encantava pela magia de seu jogo. Na Holanda, além da seleção, a consagração veio com Haarlem, Feyenoord e PSV. Viveu o seu auge mesmo na Itália, especialmente ao lado dos compatriotas Van Basten e Rijkaard, no timaço do Milan de Arrigo Sacchi que revolucionou o futebol. Muito por conta da inteligência do meia. Depois, ainda teve bons momentos na Sampdoria e no Chelsea, onde encerrou a carreira dividindo o tempo entre jogar e treinar os Blues.

Gullit nem precisava, mas seu currículo reitera o talento dentro de campo. São 20 títulos como profissional. O mais notável a Euro de 1988, como capitão da Holanda. Também faturou duas Champions com o Milan. E, mais notável, conseguiu ser campeão nacional em todos os times que defendeu – da segundona holandesa pelo Haarlem à Copa da Inglaterra com o Chelsea. E isso sem contar os prêmios individuais. A Bola de Ouro de 1987 reluz e é pouco para aquilo que representou em seu tempo. Ainda assim, dá para entender, com a concorrência pesadíssima. Se Van Basten tem três na coleção, deve um pouco também àquele que dava muitos passes açucarados.

Abaixo, relembramos o auge de Gullit, no futebol italiano. Foram seis temporadas e 12 títulos em um período inesquecível no San Siro. Quando a Serie A contava com a liga mais forte da história, o meia protagonizava o time mais forte que a disputou. Mostras de um gênio que completa 53 anos nesta terça:


Os comentários estão desativados.