Se o Liverpool já trata de preservar diariamente a memória dos 96 torcedores que morreram em Hillsborough, as lembranças da tragédia se tornaram mais intensas nas últimas horas. O aniversário de 30 anos do luto gerou uma série de homenagens em Anfield desde o domingo, quando os Reds derrotaram o Chelsea pela Premier League. Nas arquibancadas, um enorme mosaico surgiu, mencionando os “30 anos” e as “96” vítimas. Além disso, alguns personagens diretamente envolvidos naquela data estavam presentes. O momento mais significativo aconteceu quando Margareth Aspinall, cujo filho de 18 anos faleceu asfixiado em Hillsborough, comemorou o gol de Mohamed Salah dando um abraço em Sir Kenny Dalglish, técnico da equipe no fatídico dia.

Já nesta segunda-feira, o Liverpool deu mais ênfase às homenagens. Os jogadores da equipe principal, as atletas do futebol feminino e os garotos da base levaram flores ao memorial de Anfield, onde se relembra as 96 vítimas. Além disso, 96 velas foram colocadas nos degraus do St. George’s Hall, dedicadas à memória daqueles que perderam suas vidas. O silêncio prevaleceu em diferentes pontos da cidade, sobretudo às 15h06, momento em que a partida contra o Nottingham Forest acabou interrompida em 15 de abril de 1989. As pessoas pararam o que estavam fazendo, mesmo nas ruas, em tocante sinal de respeito. Por fim, 96 balões foram liberados no gramado de Anfield, aplaudidos por familiares e outras pessoas que foram a The Kop realizar seu tributo. Imagens que dimensionam o envolvimento da cidade com o episódio e a forma como o clube carregará para sempre o objetivo de honrar os que se foram.