Na liga que tem Marta, Alex Morgan, Megan Rapinoe, Sam Kerr e Christine Sinclair, a grande craque da final da NWSL foi Debinha. A jogadora da seleção brasileira foi eleita a melhor jogadora da decisão do torneio em um atropelamento do North Carolina Courage sobre o Chicago Red Stars por 4 a 0. E olha que não é um time fraco, muito pelo contrário. Chicago chegou à final com seis vitórias consecutivas e ainda terminou com a artilheira do torneio (Sam Kerr, 18 gols) e a jogadora com mais assistências (Yuki Nagasato, 8). Debinha terminou com oito gols e sete assistências.

Foi Debinha que abriu o placar, logo no início do jogo. Aos quatro minutos, ela recebeu na esquerda para finalizar duas vezes antes de marcar 1 a 0 para o time da casa. Aos 26, Jessica McDonald deu uma cabeçada precisa, completando na segunda trave um cruzamento da direita e colocando 2 a 0 no placar.

O terceiro gol também veio em um rebote. Crystal Dunn recebeu e chutou duas vezes antes de marcar 3 a 0 para o North Carolina, nos acréscimos do primeiro tempo, aos 50 minutos. No segundo tempo, Samatha Mewis ampliou em um cruzamento para a área, aos 16 minutos, e transformou em goleada: 4 a 0.

Debinha com a taça da NWSL conquistada pelo North Carolina Courage (Getty Images)

O placar foi enorme, mas se resume a basicamente à qualidade das finalizações. A posse foi similar – 51% a 49% a favor do Courage. Em termos de chutes certos, foram 20 do Courage, com 11 deles no alvo. Chicago acertou só dois dos seus 13 chutes, mesmo tendo no time a artilheira Sam Kerr.

A final é uma coroação da excelente temporada do Courage. O time foi o melhor na fase regular, terminando em primeiro lugar com alguma sobra. Foram 15 vitórias, quatro empates e cinco derrotas, com 49 pontos em 24 jogos. Em casa, o time foi imbatível: oito vitórias e quatro empates.

Nos playoffs, o time de Debinha também foi avassalador. Venceu por 4 a 1 0 Reign FC de Megan Rapinoe no Sahlen’s Stadium. Na final, a vitória por 4 a 0 sobre o Chicago Red Stars acaba por definir o campeão merecidamente. Ou, no caso, bicampeão, porque o time chegou à sua terceira final seguida e conquista o segundo título. Em 2017, perdeu a final para o Portland Thorns.

Fora da final, o técnico Vlatko Andonovski foi escolhido como o treinador do ano por ter conseguido levar o Reign FC à semifinal, mesmo com muitos problemas com desfalques, seja lesão, seja pela Copa do Mundo – sim, o calendário da NWSL também não respeita datas Fifa. O treinador foi o escolhido para treinar a seleção feminina, depois da saída de Jill Ellis.