Foi preciso acreditar até o último instante. O Liverpool saiu na frente com Roberto Firmino, sofreu o empate do Tottenham com Lucas Moura, e mesmo em um momento pior que o adversário, arrancou um gol nos acréscimos para vencer por 2 a 1 e reassumir a liderança da Premier League com dois pontos de vantagem sobre o Manchester City, que ainda tem um jogo a menos.

A partida em Anfield começou com o Liverpool no ritmo acelerado de sempre e com o Tottenham tentando neutralizar os avanços do ataque adversário. Os Spurs se seguraram bem por apenas 15 minutos. Na primeira jogada que terminou em finalização a gol do Liverpool,  Andy Robertson apareceu com liberdade pela esquerda e cruzou na medida para Roberto Firmino aplicar um cabeceio de manual, mandando a bola para o chão antes de passar a linha do gol.

Depois de abrir vantagem, o jogo do Liverpool passou a fluir com mais naturalidade, e as chances de gol começaram a aparecer com frequência, com quase todos os jogadores do setor ofensivo tendo oportunidades. Wijnaldum assustou de fora da área em chute colocado após boa troca de passes e por três vezes a defesa dos Spurs se virou como pôde em avanços de Mohamed Salah e Firmino, além de uma finalização perigosa de Sadio Mané, após passe do brasileiro. Já o Tottenham se limitou ao jogo reativo e pouco produziu, tendo o brasileiro Lucas Moura como um dos poucos destaques do time na primeira etapa.

Após o intervalo, o Tottenham conseguiu inverter as posições de jogo, ficando mais com a bola e trabalhando as jogadas no campo de defesa adversário. Aos dez minutos o empate quase aconteceu, mas Alisson impediu o gol em chute forte de Kane e no rebote, Robertson travou a finalização de Christian Eriksen. A mudança de postura ficou evidente na porcentagem de posse de bola. Enquanto nos primeiros 45 minutos o Tottenham ficou com 43%, na segunda etapa esse número subiu para 77%.

Percebendo o bom momento, Mauricio Pochettino alterou o esquema, retirando um dos defensores da linha de três que vinha utilizando e colocando Son Heung-Min no lugar de Davinson Sanchez, aos 24 minutos. A alteração, porém, não interferiu no que aconteceria a seguir. Um minuto depois, Harry Kane sofreu uma falta no meio de campo. O atacante cobrou rápido com uma inversão espetacular para Trippier, pegando a defesa do Liverpool desprevenida. O lateral centrou a bola para Eriksen, que tentou o chute a gol, mas acabou servindo Lucas de frente para a meta, premiando a boa atuação do jogador até aquele momento.

O Liverpool precisou sofrer o gol para reagir. Jurgen Klopp mexeu no time, promovendo as entradas de Fabinho e Origi, no lugar de Milner e Henderson, gerando algumas situações de ataque. Aos 30, Hugo Lloris desviou com a ponta dos dedos chute de fora da área de Alexander-Arnold e na sequência, salvou bola desviada em Firmino em lance de escanteio. Aos 36, Lloris só pôde torcer. Origi cobrou falta frontal, a bola desviou na barreira e passou perto da trave à direita do goleiro. Então foi a vez de Pochetinno reverter a formação tática, voltando a atuar com três zagueiros, tirando Lucas, que estava amarelado, e colocou Ben Davies.

Próximo do fim, o Tottenham teve a chance de conquistar a vitória no Anfield. Em contra ataque fulminante, os Spurs criaram um ataque de dois contra um. Van Dijk ficou sozinho para conter Sissoko, que tinha Son como opção pelo lado direito. O volante optou por prender a bola e de frente para Alisson chutou por cima do gol. O erro sairia caro. Já nos acréscimos, Alexander-Arnold levantou bola na área, Salah cabeceou em direção ao gol e Lloris espalmou nos pés de Alderweireld, que não conseguiu evitar o gol contra a própria equipe, que chegou ao quinto jogo sem vitórias no campeonato inglês.

Já o Liverpool, agora líder novamente, correu riscos, mostrou que a pressão dos mais de 30 anos sem títulos da Premier League começa a pesar nos momentos decisivos, mas conseguiu arrancar na marra um triunfo que deixa viva uma das disputas mais empolgantes dos últimos anos.