Segundo os dados do IBGE, Salvador é a capital com a maior população negra do Brasil. O Censo de 2011 aponta para 744 mil negros na cidade, que, em conjunto com a população que se considera “parda”, correspondem a quase 80% do total de habitantes. Além disso, há estudos de universidades brasileiras que também garantem que a metrópole baiana é o local com maior número de negros fora da África. E neste Novembro Negro, às vésperas do Dia da Consciência Negra, o Bahia protagonizou uma importante ação. Neste domingo, as camisas de seus jogadores traziam nomes de diferentes personalidades negras – todas ligadas de alguma forma ao estado, incluindo dois antigos ídolos do clube.

“Ao longo de 2018, o Bahia já realizou ações em homenagem à luta dos povos indígenas, das pessoas com deficiência e das mães com filhos desaparecidos, assim como iniciativas contra intolerância religiosa, machismo e homofobia, entre outros temas. Desta vez, o Esquadrão aproveitará a partida deste domingo, diante da Chapecoense, pelo Campeonato Brasileiro, para destacar o início do Novembro Negro, o mês nacional da Consciência Negra. O período é dedicado à reflexão sobre a inserção do povo negro na sociedade brasileira e a data exata (20/11) foi escolhida por coincidir com a morte de Zumbi dos Palmares, em 1695”, anunciou o clube, em seu site oficial.

Pouco antes da partida, o clube publicou imagens das camisas preparadas nos vestiários, com os nomes dos homenageados. E em campo, o Bahia honrou a ocasião, derrotando a Chapecoense por 1 a 0. O gol decisivo aco